Uma das principais teses da defesa do ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva, pode estar sendo "implodida", a partir de revelações do ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque. Duque, ao se dirigir para a implementação de um acordo de colaboração premiada junto à força-tarefa da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, trouxe à tona novos complicadores para a situação do ex-presidente Lula, em se tratando do mega esquema de corrupção que proporcionou a "sangria" dos cofres públicos da Petrobras. O ex-presidente é réu no âmbito da maior operação de combate à corrupção da história contemporânea do país e é conduzida em primeira instância, pelo juiz Sérgio Moro, a partir da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no Paraná.

Publicidade
Publicidade

Novas evidências complicam ex-presidente Lula

Uma foto entregue pela defesa do ex-diretor da Petrobras, Renato Duque, ao juiz Sérgio Moro, pode complicar substancialmente a situação do ex-presidente Lula. A imagem desmente as alegações de Lula, que se negava conhecer o operador do PT no mega esquema de corrupção, conhecido como "#Petrolão". A nova prova, por meio de uma foto, é datada no período de 2012. Em seu depoimento prestado ao juiz Sérgio Moro, em 5 de maio, Renato Duque afirmou que Lula possuía total conhecimento do esquema de corrupção instalado na Petrobras.

Ele assegurou ainda que o ex-presidente recebia propinas por meio de todo o esquema montado e era o comandante de toda a estrutura criminosa. Duque foi ainda mais contundente ao relatar que se encontrou com Lula por três vezes, para que pudesse tratar de assuntos de interesse da "quadrilha" e até discutiu sobre ações que poderiam ser tomadas para fossem eliminadas provas que atingissem o ex-presidente na Operação #Lava Jato.

Publicidade

Já o ex-presidente em seu depoimento prestado ao juiz Sérgio Moro, negou as reuniões com Renato Duque, embora confirmasse a realização de apenas um encontro no hangar do aeroporto de Guarulhos (SP).

O encontro realizado em julho de 2014, segundo Duque, serviu para que o ex-presidente Lula solicitasse para que contas de propina fossem encerradas no exterior. Lula, no entanto, afirmou que se tratava da apuração de denúncias relativas à corrupção de diretores da estatal. Em meio a uma "guerra de versões", a foto considerada "bombástica", apresentada a Sérgio Moro é uma prova robusta de que Duque já frequentava no Instituto Lula, em meados de 2012. A imagem é um registro histórico de uma conversa ocorrida quando já funcionava o esquema de corrupção da Petrobras, desmentindo a versão de Lula de que ambos teriam se encontrado apenas uma vez em uma aeroporto, em julho de 2014.