Nesta terça-feira (23), Reinaldo de Azevedo decidiu pedir demissão da revista #Veja e a direção aceitou. Ele foi flagrado em uma conversa com Andrea Neves, irmã do senador afastado Aécio Neves. Na conversa, eles criticaram a Operação Lava Jato e as atuações do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

O telefonema ocorreu no dia 13 de abril e já passava da meia-noite. Sem saber que estava grampeada pela Polícia Federal (PF), Andrea Neves teve uma conversa de grande cordialidade com Reinaldo Azevedo. A PF não considerou o assunto um indício de crime, mas as gravações foram anexadas à Procuradoria-geral da República.

O colunista ficou revoltado por ter sido exposto sendo que ele não era o investigado.

Publicidade
Publicidade

Ele afirmou ter sofrido uma agressão contra a sua profissão.

Acusações

O assunto entre eles era sobre as acusações contra #Aécio Neves, devido à delação da Odebrecht. Sobraram críticas para todos os lados, inclusive para a Veja. A irmã de Aécio comentou no telefonema que estava indignada com a delação do empresário Alexandre Accioly que, segundo ele, emprestou uma conta em Cingapura para o senador afastado receber propina. Andrea disse que aquilo era uma história maluca.

A revista Veja publicou a reportagem dos recebimentos de propina do tucano e colocou a foto de Aécio na capa. De acordo com a publicação, Aécio recebeu dinheiro no exterior numa conta em nome de sua irmã. O jornalista, que pediu demissão, repudiou a reportagem da revista e disse que aquilo era algo nojento com o senador.

Publicidade

Andrea acabou, na conversa, acusando Janot de adotar um critério de caixa dois para os citados e outro para Aécio. O colunista fala que Janot tem intenções de ser governador de Minas Gerais, mas que ainda precisava de mais fontes para ter certeza.

Novo diálogo

No dia seguinte, foi constatado um novo diálogo entre eles. O áudio grampeado mostra uma conversa meio misturada entre os dois, com, inclusive, declamação de poemas.

Em um determinado momento, Andrea avisa a Reinaldo que iria desligar, pois estava vendo um "problemão" no Jornal Nacional.

Azevedo pediu demissão e escreveu, em seu último post na Veja, que havia feito críticas à Veja e afirmou que Rodrigo Janot era pré-candidato ao governo do estado de Minas, mas que ainda colhia mais informações.

No final, o jornalista agradeceu por ter participado da revista Veja e agradeceu aos seus diretores pela liberdade de expressão dentro do veículo.