Neste sábado (20), o presidente Michel Temer realizou um pronunciamento no Palácio do Planalto, no qual alega que a gravação realizada do encontro que teve com o proprietário da empresa JBS, se trata de uma interceptação clandestina, totalmente ilícita e inaceitável, e informou que teve acesso a uma informação do jornal A folha de São Paulo, em que era dito que o áudio da gravação apresentada por Joesley Batista, teria sido supostamente editada, o que faz com que perca sua validade.

#Temer disse também ter pedido ao Supremo Tribunal Federal-STF, para que suspendesse o inquérito contra ele, sob o argumento de que o áudio da conversa entre ele e o empresário foi grosseiramente editado, com o intuito de forjar uma prova contra a índole do presidente da República, fato negado pela empresa JBS.

Publicidade
Publicidade

Após as declarações do presidente Michel Temer, o Ministério Público Federal-MPF, divulgou nota a imprensa na qual informou que o procurador-geral da República, Rodrigo #janot, teria enviado neste sábado (20) uma manifestação dirigida ao Supremo Tribunal Federal - STF, solicitando que seja dada a continuidade do inquérito solicitado pela PGR para que Temer seja investigado, baseado no que foi revelado na delação dos donos da empresa JBS.

Rodrigo Janot, declarou que foi realizado perícia nos áudios e se constatou tratar-se de uma gravação original e sem adulterações, porém, Janot entende ser um legítimo direito de Temer solicitar nova perícia, sendo que as investigações não devem e nem podem ser suspensas por esse motivo e defende que a realização da perícia deve ser realizada, enquanto se segue o percurso normal das investigações.

Publicidade

Lembrando que agora Michel Temer, configura oficialmente como investigado no âmbito da operação Lava Jato sob a acusação de ter cometido os crimes de corrupção passiva, organização criminosa, e obstrução de justiça. A abertura de inquérito contra o atual presidente do Brasil, foi solicitado pela PGR e autorizado imediatamente pelo ministro Luiz Edson Fachi, relator da Operação Lava Jato, no STF, tomando como base o que foi relatado a PGR pelos proprietários da JBS e do diretor da J&F Ricardo Saud.

O Supremo Tribunal Federal-STF, divulgou no início da noite, que o ministro #Edson Fachin, negou o pedido formulado pelo presidente Temer para que fosse suspenso as investigações, enquanto não ficava pronta a perícia solicitada por ele.