O juiz Ricardo Augusto Soares Leite, que responde interinamente pela 10ª Vara Federal Criminal de Brasília, acatou, na última sexta feira (5), a solicitação protocolada pelo Ministério Público Federal para a suspensão das atividades do Instituto #Lula, que se encontra sob investigação da operação #Lava Jato.

No despacho, o magistrado justifica sua decisão, alegando que, ainda que o Instituto Lula desenvolva projetos de cunho social, há fortes indícios que apontam para a prática de crimes. Segundo ele, esses crimes provavelmente foram arquitetados dentro da sede do Instituto, o que desconfigura a finalidade para a qual está vinculado.

Publicidade
Publicidade

Ainda de acordo com o magistrado, o Instituto tem sido um local de grande influência no cenário politico e vinha sendo utilizado para se tecer acordos políticos, que faziam parte do esquema de corrupção liderado supostamente por Lula, beneficiando não somente o próprio ex-presidente, mas também a cúpula do Partido dos Trabalhadores (PT).

O magistrado determinou a imediata comunicação da decisão à superintendência da Polícia Federal em São Paulo, à Junta Comercial paulista e ao presidente do Instituto Lula. Porém, a assessoria de imprensa do Instituto Lula, na figura de José Chrispiniano, informou que a entidade ainda não recebeu um comunicado oficial sobre a decisão do juiz e, por isso, não iria se manifestar sobre essa questão.

Lembrando que o instituto Lula passou a ficar na mira da Justiça depois que, durante umas das delações premiadas, foi informado que a construtora Odebrecht teria comprado um terreno para a construção da nova sede do instituição.

Publicidade

O pedido teria sido feito por Marisa Letícia, em nome do ex-presidente Lula, e a doação do terreno aconteceria como compensação pela ajuda dada por Lula na obtenção de contratos entre a referida empreiteira e a Petrobras.

O Instituto Lula, em sua defesa, afirma que nunca houve projeto para compra de um terreno, com o objetivo de construção da nova sede e que que o organismo sempre funcionou no mesmo local, desde 1991. Ainda de acordo com o Instituto, tal acusação não tem fundamento e se soma a outras inúmeras mentiras que têm, por objetivo, prejudicar a imagem do ex-presidente Lula.

Nesta última terça feira, o pecuarista José Carlos Bumlai afirmou que é verídica a informação de que seria construída a nova sede do Instituto Lula e o terreno seria doado pela construtora Odebrecht. Bumlai também afirmou que o assunto teria surgido de uma conversa com Marisa Letícia, em que ela dizia que seria comprado o novo terreno para que se construísse sede.