#Luciano Huck, filiado ao PSDB, foi especulado como possível candidato à presidência da República. Como o PSDB tem passado por momentos difíceis e seus possíveis candidatos estão combalidos por conta das acusações da Lava-Jato e o caso dos trens de São Paulo, toda novidade dentro do partido leva à especulações. Aécio Neves, último candidato, José Serra que tem se afastado da #Política, segundo ele, para tratar de problemas na coluna, e Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, que seriam os primeiros da fila na corrida presidencial de 2018, tiveram sua imagem manchada por denúncias (ainda não comprovadas).

Por outro lado, João Doria, prefeito de São Paulo capital, e agora a hipótese levantada pela imprensa com o nome de Luciano Huck, começa a mexer com a política nacional.

Publicidade
Publicidade

Doria não fala sobre o assunto, mas seria uma boa aposta do partido, já que demonstra o 'novo' para os eleitores. Luciano correria por fora, já que nunca participou da política. Por outro lado, sua popularidade e o poder aquisitivo contariam muito positivamente para sua candidatura. Ele conta também com a bênção de Fernando Henrique Cardoso, o FHC, que apontou os dois últimos nomes que o oxigênio que o partido precisa.

Mas até então, tudo no campo das especulações. Huck, particularmente, ainda não havia falado sobre o assunto até então. Mas com tantas especulações com seu nome, que envolveu desde o depoimento do ex-#Presidente a seu favor, especulações de que ele estaria pagando para uma escola de samba para fazer uma homenagem em seu nome (para alavancá-lo na política) e até uma crítica recente de Dilma Roussef que criticou os candidatos 'gerentes' como ele e o Doria.

Publicidade

Então para dar cabo a 'rádio fofoca', o marido de Angélica e apresentador do Caldeirão do Huck, quebrou o silêncio.

Ele escolheu uma coluna da 'Folha de São Paulo' para fazer seu desabafo. De início, Luciano Huck, já começa dizendo que não será candidato em 2018. Entretanto, ele afirma que chegou a hora de sua geração, aqueles que nasceram nos anos 70, começara a se ocupar com a política. E existem várias formas disto acontecer, além de se candidatar a algum cargo político. Dentre elas, se politizar, discutir ideias e cobrar os atuais políticos. E aí que ele revela seu interesse em atuar. E usando sua influência ele, particularmente, quer ir além disso. Quer usar sua popularidade para conscientizar as pessoas de política. Deixando de lado a 'esquerda ou direita' e lembrando a todos que é preciso ter as duas pernas para que o Brasil ande.

Ele confirma também que conhece bem as mazelas do país, de Norte a Sul e pode ajudar bem neste ponto. 'Contem comigo para a construção desse Brasil mais humano', finaliza o apresentador.