Na tarde desta quarta-feira, dia 10 de maio, o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, foi à Curitiba para depor pela primeira vez no caso da Operação #Lava Jato. A investigação está nas mãos do juiz Sérgio #Moro, que ficou famoso mundialmente por prender "grandões" envolvidos no esquema. Nas ruas da cidade, tropas foram usadas para conter manifestantes mais exaltados e a região em torno do fórum da Justiça Federal foi isolada.

De acordo com o Instituto #Lula, o ex-presidente irá conversar com jornalistas em uma coletiva de imprensa ainda hoje, a partir das 18h, em um restaurante da capital.

No local, ficou evidente ao longo do dia a divisão de pessoas que estão a favor de Lula e os que pedem sua prisão imediata.

Publicidade
Publicidade

Estiveram no local parte da esquerda, como o Frente Brasil Popular. Lula foi aplaudido e vaiado no momento em que chegou, dividindo opiniões no local.

Lula está sendo acusado pela Justiça de ter se beneficiado com um tríplex na cidade litorânea do Guarujá, localizado na Baixada Paulista, próximo a Santos. A força-tarefa da Operação Lava Jato acredita que o imóvel foi dado a Lula por meio da OAS, uma empreiteira que havia ganhado três contratos administrativos em uma licitação da Petrobras.

Opinião

Na coluna opinativa do site UOL, Lula foi duramente criticado por jornalistas especializados em política e Brasil. De acordo com os comunicadores, ele poderá até mesmo mentir em juízo, conforme o advogado criminalista Francisco de Paula Bernardes Junior pontuou anteriormente. Contudo, uma das "táticas" de guerra do ex-presidente não poderá utilizar o dia como palanque para subir à presidência novamente.

Publicidade

Bernandes lembrou que a jurisprudência brasileira não pode penalizar réus anteriormente à conclusão do processo que mintam durante os depoimentos. De acordo com o próprio Código Penal e o entendimento majoritário dos estudiosos da área, mentir é parte da estratégia do direito de defesa do réu.

Ele também poderá se omitir de contar tudo o que sabe, exercendo o direito de permanecer calado durante as perguntas que lhe forem feitas.

"Os tribunais não punem o réu que dizem versões mentirosas em suas defesas", garantiu.

Contudo, por ferir a moral do procedimento, Lula poderá ser penalizado na esfera criminal caso use o acontecimento para angariar votos previamente em uma possível pré-campanha eleitoral.