O empresário do Grupo JBS, Joesley Batista, falou sobre os valores de entrada em duas contas-correntes que, segundo ele, teriam sido usadas para recebimento de propina no exterior e teriam como beneficiários os ex-presidentes Luiz Inácio #Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Ele ainda informou que a quantia repassada aos ex-presidentes chegou ao valor de 150 milhões de dólares no ano de 2014. Ele citou também o nome de Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda nos governos dos ex-presidentes. Ele afirmou que o ex-ministro era o operador das contas e que fazia o repasse aos ex-presidentes. O delator também confessou que Lula teria recebido sua quantia no ano de 2009 e, em 2010, teria sido a vez de Dilma receber os valores.

Publicidade
Publicidade

Foi relatado também que, no finalzinho do ano de 2010, foi aberta uma nova conta para realizar o repasse que seria destinado à ex-presidente #Dilma Rousseff.

O empresário foi questionado sobre o conhecimento dos ex-presidentes no esquema, ele respondeu com clareza que ambos tinham total conhecimento de todo o ocorrido.

O empresário afirmou ter feito o depósito no valor de US$ 30 milhões na nova conta no exterior e que tinha conhecimento de que o valor estava sendo destinado a ex-presidente Dilma Rousseff.

Defesa

Em nota, os advogados de defesa do ex-presidente Lula afirmaram: “É possível verificar que, nos trechos abertos à imprensa, quas afirmativas de Joesley Batista em relação ao ex-presidente não transcorrem de algum contato com o mesmo, mas sim de conjeturadas conversações com terceiros, que sequer foram evidenciados”.

Publicidade

“A Operação Lava Jato acabou devassando a vida pessoal de Lula e seus familiares. Foram feitas várias investigações e denúncias e nenhuma conseguiu comprovar valores ilícitos, o que demonstra que o ex-presidente Lula é inocente. Várias testemunhas já deram seus depoimentos, que também comprovam a inocência de Lula. A alusão ao nome do ex-presidente Lula nesse panorama confirma denúncia já realizada pela imprensa de que delações premidas apenas são acolhidas pelo Ministério Público se totalizarem referência ao nome do ex-presidente.", comentaram seus advogados.

A notícia novamente voltou a movimentar as redes sociais e pode, de certa forma, prejudicar o ex-presidente Lula, que tem como objetivo se candidatar novamente ao cargo de presidente da República em 2018.

Mesmo com o nome do ex-presidente envolvido em várias delações, o índice de aceitação ainda continua em alta, aparecendo em primeiro lugar nas pesquisas já divulgadas por grandes jornais impressos por todo o país. #Delação