O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é um dos nomes mais importantes da sociedade. Nesta quarta-feira (10), o representante do Partido dos Trabalhadores (PT) enfim teve o seu depoimento dado ao juiz federal Sérgio Moro, válido pela Operação Lava Jato. A conversa entre o político e o magistrado, para muitos visto como herói, foi transmitida pelos principais telejornais brasileiros.

Pela primeira vez, #Lula deixou claro na frente de aliados que não estava satisfeito com a gestão de Dilma. Ele rejeitou a tese de que o fato dela ter sido tirada do poder seria um golpe. De acordo com o petista, Rousseff apenas caiu porque não tinha habilidade política para lidar com conflitos importantes.

Publicidade
Publicidade

O ex-presidente disse que em sua gestão nunca houve corrupção ou casos de propina e que tudo era resolvido na base da conversa.

Ele surpreendeu muita gente, até mesmo os que pertencem à sua base aliada, ao afirmar a seguinte sentença: "Se a presidente Dilma tivesse me seguido, não teria havido impeachment".

O jornal 'O Globo' comentou o assunto, citanto uma matéria do 'Jornal Valor Econômico'. Nesse levantamento, fica claro como Dilma não conseguia conversar com os demais políticos. Em seis anos de poder, ela se encontrou apenas com 67 senadores e deputados, o que daria menos de um encontro por mês. Michel Temer, em compensação, esteve com 72 políticos diferentes em apenas 90 dias, o equivalente a mas de 20 reuniões mensais. Para Lula, a falta de jogo político fez com que Rousseff perdesse o processo de impeachment das Câmaras dos Deputados e Senadores.

Publicidade

Lula ainda ressaltou a importância de o presidente ser capaz de delegar tarefas e saber mandar.

Após deixar a sede da Justiça Federal em Curitiba, Lula foi a um palanque montado por aliados na cidade. Ele subiu ao palco ao lado da ex-presidente Dilma Rousseff. #Dilma Rousseff