O ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, passou por vários gabinetes dos senadores para que eles aprovassem a sua nomeação na Corte Suprema, no ano de 2015. Várias pessoas próximas do ministro ajudaram para que o contato dele com os 81 senadores fosse positivo. Uma das pessoas que ajudou o ministro foi o delator da JBS, Ricardo Saud. O executivo é delator de um dos maiores escândalos da política brasileira, na atualidade. Foi confirmada, através de seu depoimento, a entrega de uma mala com R$ 500 mil para o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR).

#Edson Fachin não quis comentar sobre o fato, mas pessoas ligadas ao ministro afirmaram que ele não precisou de nenhuma ajuda de Saud.

Publicidade
Publicidade

O jornalista Jorge Bastos Moreno do "O Globo" comentou que Fachin admitiu ter sido ajudado pelo delator, pois, na época, a empresa J&F tinham muitos parlamentares eleitos.

Relação com a Justiça

Os irmãos Joesley e Wesley Santana já mostraram através de áudios gravados que gostam muito de estarem relacionados com à Justiça. Numa das conversas de Joesley com o presidente Temer, o empresário relata que tem dois juízes que cuidavam de seus processos. Na gravação, Temer afirma ser muito bom isso. Na mesma conversa, o dono da JBS cita a ajuda de um procurador da República, Ângelo Goular Vilella. Esse procurador passava várias informações sigilosas ao empresário. No momento ele está preso.

Outra pessoa ligada a Joesley é o advogado que está negociando o acordo de leniência do Grupo JBS, Marcelo Miller.

Publicidade

Até o começo de março, esse advogado era um dos braços direitos do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Miller deixou o Ministério Público Federal momentos antes do encontro entre Joesley e Temer. Foi nesse encontro que o empresário colheu provas para complicar a vida do presidente.

Possível armadilha

O diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, pode ter tentado criar uma armadilha para comprometer o ministro Edson Fachin.

O deputado Rodrigo Loures e Saud estavam em um café, na cidade de São Paulo e o diálogo entre eles chegou à situação jurídica. Loures comenta que sem o foro privilegiado muitos parlamentares poderão sofrer riscos. Saud questiona se não tem como bater um papo com Fachin. Segundo Saud, o ministro foi ajudado muito pelo PMDB e poderia interver em alguma coisa.

Loures comenta que pretende fazer uma visita ao ministro. Mas Saud afirma que Fachin não faria nada de errado e pede para Loures deixar isso pra lá. #STF #Delação