O mundo da política parece mesmo que está atraindo cada vez mais famosos ou personalidades polêmicas. Roberto Justus, Luciano Huck e Silvio Santos já fizeram declarações sobre esse verdadeiro sonho de chegar ao poder. Agora um nome aparece na mídia e promete colocar ainda mais lenha na fogueira dessa corrida eleitoral, o de Oscar Maroni. A celebridade ficou conhecida em todo o país por ser dono de clubes, nos quais garotas de programa se prostituíram. Em entrevista ao jornal 'Folha de São Paulo', Oscar Maroni disse que pretende se candidatar à presidência da República. O motivo, segundo ele, é que o Brasil já seria uma zona e de "put***" ele entende.

Publicidade
Publicidade

Prisões e polêmicas de possível candidato ao governo federal

Dono do Bahamas Club, Oscar tem uma carreira muito polêmica. Por conta das suas atividades, ele já chegou a ser preso, pelo menos, quatro vezes. As acusações são as mais variadas possíveis, como colocar risco à aviação e, é claro, sua atuação mais famosa, a ligada à prostituição. Ele foi acusado de explorar meninas a venderem seus corpos. A revelação da possível candidatura de Maroni acontece em meio ao lançamento de sua biografia. O empresário garante que é o homem que mais teve relações íntimas no país e afirma que foi para cama, com pelo menos, 2.500 mulheres. Ele ainda se compara a Jesus Cristo, como liberdade e amor. “Bem ele amava uma prostituta na época, Maria Madalena. Eu amo todas as garotas de programa”, disse o novo nome da política brasileira.

Publicidade

Luciano Huck nega que será candidato a presidente em 2018

Também à 'Folha de São Paulo', o apresentador Luciano Huck confessou que não vai disputar à presidência. Ele precisou dar a entrevista, após políticos famosos o citarem como provável candidato. A ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), por exemplo, garantiu que o marido de Angélica fazia "política social de auditório". Já o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso citou Huck como o novo. O apresentador, por sua vez, diz que no momento a política não estava em seus planos como líder, mas que continuaria a atuar nos bastidores, pois esse é um assunto que muito o interesse.

Impeachment de Michel Temer parece que 'melou'

Duas semanas após a delação do empresário Joesley Batista, da JBS, o impeachment do presidente da república, Michel Temer (PMDB), parece que não vai mesmo ter prosseguimento. Nesta terça-feira (30), por exemplo, ele garantiu que vai levar o seu mandato até 2018. Temer já havia dito antes que não renunciaria. O presidente da Câmera, Rodrio Maia, o apoia e não abriu qualquer pedido de impedimento contra Michel. #presidencia