Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do #Rio de Janeiro Sérgio #cabral, teve a autorização do juiz Marcelo Bretas, da 7° Vara Federal do Rio, para ter um computador em sua casa. O pedido dela foi para que ela pudesse fazer consultas dos seus processos, que, atualmente, se encontram apenas em forma eletrônica.

O Ministério Público Federal (MPF) quer que o juiz reconsidere a sua decisão. A desconfiança dos procuradores é muito grande.

Adriana foi acusada de #Corrupção e lavagem de dinheiro ao participar de um esquema criminoso que teria o comando do ex-governador do Rio Sérgio Cabral. No momento, ela está em prisão domiciliar concedida pela Justiça e não pode ter acesso à internet e nem a telefone.

Publicidade
Publicidade

Para a Procuradoria, autorizar a entrada de um computador no apartamento de Adriana facilitaria para ela conseguir acesso fácil para navegar na internet. Um modem sem fio pode ser conectado e desconectado a qualquer momento e os agentes federais que fazem vistorias no apartamento dela nunca saberão se ela se conectava ou não. Com esse modem sem fio, ela pode esconder o objeto e ninguém notar a sua utilização.

Corrupção

Investigadores da força-tarefa da Operação Lava Jato no Rio comentaram que os crimes de corrupção são, geralmente, cometidos pela internet e, por isso, deve se tomar todas as precauções necessárias. Ela pode, inclusive, movimentar o patrimônio oculto de Cabral.

Adriana está presa desde dezembro do ano passado e em março ganhou o benefício da prisão domiciliar. Esse direito ganho por ela foi em consideração a seus filhos, que são menores de idade e precisavam do contato dos pais.

Publicidade

A 1ª Turma Especializada no Tribunal Regional Federal da 2° Região entrou com um pedido para que ela volte para a prisão. Mas, até agora, os recursos estão sendo analisados.

Sérgio Cabral em Benfica

O ex-governador do Rio foi transferido, neste domingo (28), para uma nova unidade prisional que fica em Benfica, Zona Norte do Rio. A Secretaria de Administração Penitenciária afirmou que toda a transferência aconteceu normalmente e ele já está submetido aos critérios da unidade.

O novo local é destinado para os presos que possuem Ensino Superior e aqueles que não estão pagando as pensões alimentícias. A unidade passou por uma reforma para receber os 146 presos.

De acordo coma Secretaria, a obra custou R$ 26 mil e foi usada mão de obra dos próprios detentos. Ela é monitorada por 32 câmeras, incluindo o local de banho de sol.