Os embates ocorridos recentemente entre o procurador-geral da República, #Rodrigo Janot, e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, podem refletir em uma verdadeira "guerra de lama", segundo a opinião de procuradores federais e integrantes do Ministério Público Federal. As afirmações se baseiam na solicitação do procurador-geral da República em requerer, junto ao Supremo Tribunal Federal, o afastamento do ministro Gilmar Mendes do julgamento do caso de Eike Batista.

O mega empresário foi solto por um habeas corpus dado pelo próprio Mendes, revogando a prisão determinada anteriormente pelo juiz Marcelo Bretas, da Décima Vara Federal do Rio de Janeiro (RJ).

Publicidade
Publicidade

A ação do ministro Gilmar Mendes não foi bem vista por membros do #MPF, já que a esposa de Mendes trabalha no escritório de um dos advogados do empresário.

'Caso controverso'

Procuradores federais e integrantes do MPF afirmaram nos bastidores que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acabou se envolvendo numa verdadeira "guerra de lama" ao se envolver diretamente numa polêmica com o ministro Gilmar Mendes, tendo, dentro de sua casa, um caso controverso.

A revelação de que a filha de Janot advoga para empreiteiras que tentam firmar leniência abriu espaço para o questionamento de acordos feitos pela Lava Jato e ampliou o potencial destrutivo da guerra entre a PGR e parte do Supremo.

Os procuradores dizem, entretanto, que o caso relacionado à filha do procurador-geral da República se caracterizou como um "erro crasso de estratégia".

Publicidade

Isso potenciaria uma relação conflituosa entre a Procuradoria-Geral da República e parte do Supremo Tribunal Federal.

A tendência, de acordo com o que dizem os procuradores federais no privado, é que a situação pode até mesmo recrudescer, já que o ministro Gilmar Mendes tem como característica pessoal a "revanche". #STF