Em pronunciamento feito na tarde dessa quinta-feira, 18, no Palácio do Planalto o presidente #Michel Temer reafirmou que não renunciará ao cargo de presidente da República. Em tom exaltado, o presidente fez um breve pronunciamento dizendo que sempre honrou o seu nome, na faculdade, nos trabalhos e na vida pública. Afirmou ainda que não teme nenhuma delação e nunca autorizou que alguém pagasse pelo silêncio do deputado. "Em nenhum momento autorizei que pagasse a quem quer que seja para ficar calado. Não comprei o silêncio de ninguém", declarou.

A especulação sobre a renúncia cresceu nas últimas horas, depois que o jornal O Globo publicou uma matéria confirmando que os donos da JBS, Joesley e Wesley Batista, haviam gravado Temer apoiando a compra do silêncio de Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Publicidade
Publicidade

As gravações foram entregues ao STF (Supremo Tribunal Federal) na quarta-feira, 10, em delação premiada. Além de Temer, o presidente do PSDB, Aécio neves, foi citado, mas não declarou nada em relação.

Segundo o jornal “O globo”, Michel Temer se encontrou no Palácio do Planalto, no dia sete de março desse ano, com Joesley Batista e nesse encontro teriam conversado sobre um pagamento pelo silêncio ao ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e ao lobista Lúcio Funaro. Segundo a gravação, Temer respondeu: "Tem que manter isso, viu?".

Apesar da pressão, o presidente foi enfático ao afirmar: "Não renunciarei. Repito, não renunciarei. Sei o que fiz e sei a correção dos meus atos. Exijo investigação plena e muito rápida para os esclarecimentos ao povo brasileiro. Essa situação indubitável de dúvida não pode persistir por muito tempo”.

Publicidade

O presidente ainda afirmou que nessa semana o seu governo viveu seu melhor quando analisada a melhora nos indicadores econômicos e de emprego, e o seu pior momento, em relação à gravação apresentada ao STF.

Michel Temer afirmou também que vai mostrar no Supremo Tribunal Federal que não tem nenhum envolvimento com esses fatos. O relator da Operação #Lava Jato, o ministro Edson Fachin, autorizou a abertura de inquérito para investigar o presidente. A situação em Brasília está tensa, ministros e deputados pressionam o presidente, nas redes sociais, os brasileiros expressam sua insatisfação com o governante. enquanto isso, em Brasília, as coisas mudam a cada hora, e ainda assim, o presidente Michel Temer resiste e se mantém ocupando o cargo de presidente da república. #Política