Depois da soltura de José Dirceu pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), que havia sido condenado a mais de 30 anos de prisão pelo juiz Sérgio Moro, para que ele aguardasse em liberdade o julgamento de recursos interpostos por sua defesa, o Ministério Público Federal não pareceu contente.

José Dirceu foi a quarta pessoa presa da Lava Jato que foi libertada pelo Supremo Tribunal Federal nas últimas semanas. As demais foram João Cláudio Genu, José Carlos Bumlai e Eike Batista.

A decisão do STF, favorável a Dirceu, foi exarada no mesmo dia em que o Procurador do Ministério Público Federal Deltan Dallagnol ofereceu uma nova denúncia contra ele.

Publicidade
Publicidade

Mudança do STF?

Especialistas dizem que o novo posicionamento do Supremo Tribunal Federal reverteu a tendência de os Ministros decidirem favoravelmente à Operação Lava Jato. Logo, as decisões tomadas por Sérgio Moro no curso do processo poderão ser afetadas pelo STF e correm risco.

Nova denúncia

José Dirceu encontrava-se preso desde meados do mês de agosto de 2015, durante a consecução da 17ª fase da Lava Jato, batizada de "Pixuleco".

Depois disso, Dirceu foi condenado mais duas vezes por Sérgio Moro. Uma das sentenças condenou-o a 20 anos de prisão e outra por 11 anos de prisão.

Ainda, José Dirceu tinha sido condenado em quase 8 anos de prisão pelo famigerado e famoso caso do Mensalão.

Na última terça-feira (2), o Procurador Deltan Dallagnol expôs para a mídia que a nova denúncia já tinha sido elaborada, mas que decidiu promovê-la antes, devido às decisões do STF favoráveis a José Dirceu.

Publicidade

STF responde

O Ministro do STF, Gilmar Mendes, durante o seu voto no recurso que liberou José Dirceu, em resposta à nova denúncia e em tom ácido, disse que algumas pessoas não sabem do seu papel perante a sociedade e que não cabe a um Procurador da República fazer pressão no Supremo Tribunal Federal.

Com isso, Mendes asseverou que há uma hierarquia inerente aos princípios básicos do Estado Democrático de Direito que deve ser cumprida e que se isso não é observado impera o "autoritarismo".

Dallagnol rebate

No Facebook, Deltan Dallagnol rebateu as críticas do Ministro Gilmar Mendes, aduzindo que o STF liberou pessoas como "José Dirceu", mas manteve pessoas que teriam praticados crimes menos graves presas por muito tempo. Ressaltou, ainda, que alguns outros acusados como João Vaccari Neto, Marcelo Odebrecht, Renato Duque e Jorge Zelada estavam presos há muito mais tempo do que José Dirceu.

O Procurador fez essas considerações porque a motivação do STF para liberar Dirceu foi, em suma, de que ele estaria preso há tempo demais.

Segue vídeo de Deltan Dallagnol informando sobre a nova denúncia de Dirceu:

#lavajato #DeltanDallagnol #JoséDirceu