O Brasil inteiro sabe que Jair Bolsonaro (PSC-RJ) é pré-candidato à Presidência da República. O que os seguidores do deputado federal precisam ficar atentos é que as eleições de 2018 se aproximam e #bolsonaro, que não tem nenhum impedimento legal para concorrer, ainda não está fechado com nenhum partido político.

Em entrevista ao jornalista Rica Perrone, publicada no canal de Perrone no YouTube, no mês passado, o parlamentar falou o que todos já sabiam: deixará o Partido Social Cristão.

Na conversa, ele explica o motivo: o PSC fez alianças escusas nas eleições municipais do ano passado. Inclusive, se aliou ao Partido Comunista do Brasil (PC do B) e essa união despertou certo receio em Bolsonaro.

Publicidade
Publicidade

O deputado federal mais votado do Rio de Janeiro em 2014 teme ficar no PSC e ter sua cabeça colocada a prêmio. Como seria isso? Em troca de alianças que poderiam dar certo destaque ao PSC, a direção do partido poderia usar o impedimento de Bolsonaro concorrer à Presidência como moeda de troca.

Novo partido

Com o PSC longe da jogada, o destino mais plausível para Jair Bolsonaro é o Partido da República (PR). Ter Bolsonaro em sua sigla é sempre interessante. O pré-candidato à Presidência aparece nas pesquisas com chances reais de ir ao segundo turno.

O problema é que informações dos últimos meses dão conta de que o PR quer Bolsonaro, mas pensa nele como deputado federal. Isso aconteceria porque o parlamentar é puxador de votos.

Como o Brasil adota o sistema de votos na legenda, ter Bolsonaro pode significar aumentar o número de deputados eleitos pelo quociente eleitoral.

Publicidade

Atualmente, o PR tem 39 deputados e a quarta maior bancada do Congresso Nacional.

Caso Bolsonaro se desloque para o partido, seus filhos também iriam junto com ele. De acordo com reportagem da revista Exame, em março, Bolsonaro encontrava certa resistência de alguns deputados do PR por ser considerado de direita e ultraconservador.

Vice-presidente

Recentemente, Bolsonaro publicou um vídeo seu Facebook, ao lado do senador Magno Malta (PR-ES). No final do vídeo, o deputado federal diz que os dois estarão do mesmo lado no ano que vem.

É forte o movimento para que Magno Malta seja o vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro. As eleições se aproximam. E mais próxima ainda está a definição das chapas. Nas últimas eleições, essas definições aconteceram em junho. Se isso for repetido, Bolsonaro tem um ano para encontrar novo partido e confirmar sua candidatura. #Eleições 2018