O ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, está sendo investigado em vários casos e já é réu em primeira instância em cinco desses. O processo mais avançado que Lula está sendo julgado é o do tríplex, no Guarujá, pelo âmbito da Operação Lava Jato, no qual o ex-presidente é acusado por ocultação de patrimônio e recebimento de propina, porém o acusado nega tudo e afirma que o apartamento estava nos planos de sua esposa, mas ela desistiu de comprar.

O MPF (Ministério Público Federal) pediu a prisão do Lula, alegando que o real proprietário é o ex-presidente, porém o apartamento continuou no nome da empresa "OAS" para não incriminá-lo.

Publicidade
Publicidade

Agora, o caso está em suas fases finais e os pedidos começaram a ser feitos. Dessa vez, foi feito um #Pedido pela defesa do ex-presidente Lula que pode mudar tudo.

O pedido

Os advogados de Lula fizeram um pedido surpreendente alegando que a acusação não conseguiu provar que o ex-presidente seria o dono do tríplex e solicitaram a absolvição do réu.

Cristiano Zanim, advogado que traçou uma guerra com o juiz federal Sérgio Moro durante a audiência, afirmou que Léo Pinheiro, presidente da OAS, só afirmou que Lula era o dono do tríplex, no Guarujá, para obter benefícios em seu acordo de delação premiada, já que havia um ano que ele tentava fechar um acordo, mas não conseguia.

Zanim ainda alegou que a defesa só teve acesso ao processo dois dias antes do réu ser indiciado pela PF (Policia Federal), acusando o juiz Sérgio Moro, afirmando que o ex-presidente Lula teria que poder esclarecer antes.

Publicidade

OAS continuou utilizando o imóvel

Mesmo após as constantes visitas de Lula ao apartamento, a defesa do próprio afirma que a empresa continuou utilizando o imóvel para investir no mercado financeiro em garantia de recursos tomados ao fundo da Caixa.

O MPF contra-ataca dizendo que o imóvel estava ocultado em nome da OAS, e agora a decisão cabe a Operação Lava Jato.

Lula pode ficar inelegível

No Brasil, com as novas leis, é proibido alguém que está sedo julgando em segunda instância se candidatar. Caso o ex-presidente Lula, que tem o desejo de se candidatar em 2018, for condenado em primeira instância e seu processo suba para a segunda, ele não poderá mais disputar à presidência da República em 2018. Isso dará espaço para os seus opositores, já que Lula é o líder absoluto em qualquer pesquisa presidencial feita.

Jair Bolsonaro pode ser o candidato mais forte, já que foi feita uma pesquisa em um cenário sem Lula e quem liderou foi o pré-candidato conservador.