A bancada do PSDB na Câmara dos Deputados está dividida com relação ao desembarque ou não da base de apoio do governo Temer. Os parlamentares mais jovens, chamados de "cabeças pretas" - em alusão a falta de cabelos brancos, querem a saída imediata. Já os cacique tucanos preferem se agarrar ao que restou do governo de Michel Temer.

A bancada tucana irá se reunir na próxima terça-feira (6). Desse encontro, pode sair a definição do desembarque ou não do PSDB da Câmara da base de apoio a Michel Temer. A favor da saída conta agora a prisão do braço direito de Temer, Rocha Loures. Contra, o encontro da última sexta-feira entre Michel Temer e Geraldo Alckmin, uma tentativa do peemedebista de manter o apoio do PSDB.

Publicidade
Publicidade

O medo do Planalto é que com saída do PSDB de São Paulo, o maior e mais influente diretório do Brasil, outros diretórios estaduais possam seguir o mesmo caminho.

Os deputados da nova geração argumentam que o partido não pode apoiar um governo envolvido em tantos escândalos de corrupção, inclusive o chefe do Planalto.

Segundo o presidente do PSDB no Rio de Janeiro, deputado Octávio Leite, o partido tucano precisa não apenas desembarcar do governo de Michel Temer, mas também "reinventar, se reconstruir". #Dentro da política