O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), #Joaquim Barbosa, foi homenageado pela Corte juntamente com o ministro Ricardo Lewandowski. As homenagens foram feitas para os dois ex-presidentes do #STF e o evento foi comandado pela atual presidente da Corte, Cármen Lúcia. Esse tradicional evento trouxe a aposição de fotos de ex-presidentes do tribunal.

Joaquim Barbosa deu um pequeno discurso e disse que o Brasil precisa muito dos ministros do STF. De acordo com Barbosa, o combate à #Corrupção só foi fortalecido devido às decisões tomadas anteriormente no tribunal. Segundo ele, o que ocorre no país, atualmente, é uma "revolução silenciosa".

Publicidade
Publicidade

Barbosa disse que o povo precisa de todos os ministros lutando por eles, ainda mais nesse clima político conturbado. Ele ainda declarou que não gostaria de estar participando da Corte nesse momento de crise do Brasil.

Joaquim Barbosa foi o relator do escândalo do Mensalão na Suprema Corte e o primeiro negro a presidir o tribunal.

"STF não falhará"

O ex-presidente do Supremo tentou passar um lado de otimismo em parte de suas declarações. Ele disse que o STF não falhará diante desse momento doloroso e triste que vive o país.

A "revolução silenciosa", segundo o ex-ministro, surgiu no Brasil quando o Supremo começou a tomar decisões "progressistas", mesmo sem o apoio da opinião pública. Os casos citados por ele são: casamentos homoafetivo, questões indígenas, e outros temas.

Essa revolução silenciosa foi a responsável de conduzir o Brasil para esse turbilhão de problemas e os ministros da Corte devem estar preparados para tomarem as decisões corretas.

Publicidade

Twitter

Pelo Twitter, o ex-ministro demonstrou que apoia as Diretas Já, que é defendida pelos petistas e outros partidos e movimentos de esquerda. Porém, na Constituição Brasileira, caso o presidente Michel Temer seja cassado, as leis mostram que deve ser conduzida Eleições Indiretas.

Barbosa já falou que torce pela renúncia de Temer e criticou líderes políticos que tentaram abafar as denúncias graves contra o presidente, que foi alvo de gravação numa conversa com o empresário Joesley Batista, dono da JBS.

O ex-presidente do STF foi nomeado a uma cadeira da Corte pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Barbosa acredita que as Diretas Já seriam uma lufada de ar fresco e traria calmaria ao país.

A chapa Dilma-Temer ainda está em julgamento e resta aguardar o desfecho desse episódio.