Uma das filhas do ministro do Supremo Tribunal Federal (#STF) e relator da Lava Jato, #Edson Fachin, passou por momentos de raiva durante uma compra na cidade de Curitiba, Paraná. Ela estava em uma loja escolhendo um produto que queria comprar e se dirigiu ao caixa.

No momento em que entregou o cartão ao vendedor, ele perguntou se ela tinha algum parentesco com o ministro Edson Fachin. Ela confirmou que era filha dele. O vendedor acabou a surpreendendo ao dizer que era primo do ex-deputado Rocha Loures. O ex-deputado foi preso após decisão de Edson Fachin.

A filha do ministro acabou ficando incomodada com a situação. Ela pegou o cartão, deixou a compra de lado e abandonou o local sem efetuar a compra.

Publicidade
Publicidade

Pedido para Cármen Lúcia

Edson Fachin, relator do caso do empresário Joesley Batista, dono da JBS, está pensando em pedir para a presidente da Corte, Cármen Lúcia, enviar à Câmara um pedido de autorização para abertura de inquérito contra o presidente Michel Temer. O peemedebista foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República por corrupção passiva. O ministro ainda se decidiu se dará algum tempo para a defesa de Temer se pronunciar sobre a denúncia, antes dela chegar nas mãos do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

O presidente Temer vive momentos de grande tensão e tentando de todas as formas se manter no cargo. Ele chegou a recusar perguntas feitas pela Polícia Federal (PF) no inquérito que apontou crimes cometidos por ele. Temer chegou a pedir mais tempo para responder as 82 perguntas da PF, mas ao vencer o prazo, ele deixou todas elas em branco.

Publicidade

Investigação

Fachin tem tido algumas atitudes contrárias ao pensamento do juiz federal Sérgio Moro, nos últimos dias. Ele tirou investigações importantes das mãos do juiz. Nesta terça (27), mais uma investigação com base nas delações da Odebrecht contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi retirada.

O filho de Lula, Luís Cláudio, também está envolvido nesse processo. Ele teria combinado com a Odebrecht para desenvolver no Brasil um campeonato de futebol americano.

Em troca da ajuda da construtora, o ex-presidente faria de tudo para aproximar a Odebrecht do governo da ex-presidente Dilma Rousseff.

Fachin aceitou os argumentos da defesa de Lula confirmando que esses casos não tem nada a ver com o esquema criminoso de desvio da Petrobras. O processo acabou indo para a Justiça Federal de São Paulo.