Na última segunda-feira (19), a Cadeia Pública José Frederico Marques, que fica em Benfica, foi alvo de uma fiscalização surpresa realizada pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ). Foi encontrado na cela do ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, uma quantidade em excesso de comprimidos antidepressivos e outras pílulas que não estavam identificadas.

O promotor de Justiça, Suavei Lai, da 11° Promotoria de Investigação Criminal, enviou um ofício ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, questionando se estava correta a quantidade de comprimidos de tarja preta encontrados na cela de Cabral.

Publicidade
Publicidade

Durante a fiscalização, o diretor da unidade, Fábio Ferraz Sodré, recebeu uma advertência e terá que dar explicações sobre o motivo de tantos comprimidos junto com o ex-governador. Os detentos não podem ter acesso a tanto material desse tipo, pois eles podem tomar acidentalmente e passar mal ou até mesmo se utilizar deles para um possível suicídio. Outro fator que preocupou o MPRJ é a possibilidade de existir tráfico desses comprimidos, que podem ser usados como "moeda de troca".

Explicações

Sérgio Cabral comentou que ele tem a permissão de receber os comprimidos, porém, são dois comprimidos por dia de antidepressivo e os que estão sem identificação são apenas vitaminas. O MPRJ também achou na cela de outros dois presos, vários medicamentos controlados que estão em excesso. O promotor, além de acionar Bretas, exigiu que a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP) tomasse as medidas necessárias para averiguar o que está acontecendo.

Publicidade

O diretor do presídio informou que a cadeia não tem estrutura de levar remédios para os presos todos os dias e, por isso, eles acabam ficando com um pouco de excesso. O que causou estranheza é que Sodré não conseguiu dizer quantos comprimidos são entregues por dia na unidade.

A diretoria ainda comentou que enquanto não termina a reforma do espaço definitivo, o setor de enfermaria continuará funcionando de forma precária.

Outros problemas

A fiscalização também percebeu outros problemas como, por exemplo, presos que não tem nível superior em celas destinadas a detentos com nível superior completo. A promotoria investigará o motivo disso. De acordo com o diretor do presídio, isso está acontecendo por determinações judiciais.

Todo mês estão sendo realizadas vistorias para garantir o cumprimento das Leis e promover segurança para todos os envolvidos no dia a dia da cadeia. #Sergio Cabral