Alguns grupos de pessoas estão pedindo uma nova #Intervenção Militar por causa da atual crise política que o país está vivendo. Esse desejo foi ressaltado após o vazamento do áudio do atual presidente da República, #Michel Temer, em conversa com o empresário dono da "JBS", Joesley Batista, porém um novo regime militar autoritário é totalmente inconstitucional e seria um golpe se algum dos comandantes das três #Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica) assumissem a presidência do país à força.

O comandante-geral do Exército brasileiro, general Villas Boas, vem sendo pressionado para dar uma outra resposta sobre uma nova intervenção militar e ele voltou a falar sobre esse assunto.

Publicidade
Publicidade

Opinião do general

Nesta quinta-feira, dia 22 de junho, o general Villas Boas reafirmou o compromisso das Forças Armadas com a democracia brasileira e lembrou que a instituição tem de seguir as ordens da Constituição Federal, inclusive, o comandante havia colocado uma mensagem em seu Twitter oficial que em uma crise política se deve seguir tudo constitucionalmente e não há atalhos fora da Constituição Federal da Republica Federativa do Brasil.

O general rechaça qualquer chance de uma nova intervenção militar e lembra que as Forças Armadas são subordinadas ao presidente da República, assim como é afirmado no Art. 142 da Constituição. Mesmo com uma grande crise política, o comandante citou um golpe recente que aconteceu na Turquia para remover o presidente Recep Tayyip Edogan, e a tentativa foi totalmente fracassada.

Publicidade

O comandante afirmou que as tomadas de poder político pelos militares nunca dão certo e não deve mais ser cogitada no Brasil.

Garantia da lei e da ordem

Villas Boas afirmou que as Forças Armadas ficaram desconfortáveis quando foram acionadas para garantir a lei e a ordem, protegendo a Esplanada dos Ministérios nas manifestações de maio, em Brasília.

O general lembrou que a utilização das Forças Armadas só ocorreram poucas vezes em 30 anos de história, sendo que só havia acontecido no estado de São Paulo.

Michel Temer vai cair?

Houve o julgamento da chapa Dilma-Temer e aconteceu a absolvição, porém o presidente da República, Michel Temer, ainda pode sair do poder se for condenado no caso dos áudios gravados pelo empresário Joesley Batista.

Caso Michel Temer saia da presidência da República, serão convocadas eleições indiretas para escolher um novo representante interino, porém uma pequena parte da população pede que os comandantes militares assumam o poder nessa crise política.