Nesta última quarta-feira (14), um grupo de juristas se uniu para fazer um pedido de impeachment contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), #gilmar mendes. O diálogo gravado entre Mendes e o tucano #Aécio Neves foi colocado no pedido, pois juristas acreditam que o ministro cometeu crime de responsabilidade. Nessa gravação, Aécio faz um pedido para o ministro. O tucano queria que Mendes se comunicasse com Flexa Ribeiro (PSDB-PA) para que votasse a favor do projeto de lei sobre abuso de autoridade. A PF obteve a conversa em meio às investigações da delação premiada da empresa JBS.

O ministro Gilmar Mendes chegou a afirmar para Aécio que já teria conversado com Tasso Jereissati (PSDB-CE) e Antonio Anastacia (PSDB-MG).

Publicidade
Publicidade

O ex-procurador-geral da República, Cláudio Fontelles, um dos responsáveis por protocolar o pedido de impeachment dos juristas, acredita que esse trecho da conversa de Aécio e Mendes deixa uma prova muito "concreta e objetiva", resultando que o magistrado se posicionou de forma partidária.

O ex-procurador disse que Mendes prontamente atendeu o senador, concordando em realizar o pedido de Aécio e, ainda por cima, avisar que teria falado com outros dois senadores sobre o caso. O ex-procurador diz que esse momento é algo histórico no Brasil e que seria o tempo dos brasileiros se unirem para "passarem a limpo" a nação.

O grupo de juristas e o procurador ainda farão mais duas representações contra Gilmar Mendes, sendo uma delas no próprio STF e outra na Procuradoria Geral da República (PGR).

Publicidade

Aécio Neves é denunciado na Procuradoria e os juristas avaliaram que esse processo deve ser anexado juntamente com a denúncia contra Aécio no Ministério Público Federal (MPF).

O MPF apura crimes de #Corrupção passiva e obstrução de Justiça envolvendo o senador Aécio Neves.

Aécio Neves encrencado

Nesta último dia 2 de junho, a Procuradoria Geral da República entrou com uma denúncia contra o senador tucano Aécio Neves. A delação premiada dos donos da empresa JBS foi tida como base para essa denúncia. O procurador Rodrigo Janot pediu até mesmo que Aécio perca suas "funções públicas".

A irmã de Aécio, Andreas Neves, também foi denunciada por crime de corrupção passiva, juntamente com Frederico Medeiros e Mendherson Souza Lima. Foi solicitada a abertura de mais um inquérito, para investigar se houve crimes de lavagem de dinheiro.

O executivo dono da JBS, Joesley Batista, fez gravações de Aécio, nas quais o senador pedia a quantia de R$ 2 milhões para pagar sua defesa nos processos da Operação Lava Jato.