Um homem tailandês foi condenado nesta sexta-feira (9) a 35 anos de #Prisão por #insultar a monarquia de seu país no #Facebook. O tribunal militar de Banguecoque condenou o rapaz de 34 anos por violar a dignidade do rei, em 10 acusações de lesa-majestade, após publicar fotos e vídeos da família real em uma conta do Facebook que fingia pertencer a um usuário diferente.

Vichai Thepwong trabalhava como corretor de seguros e foi inicialmente sentenciado a 70 anos, mas a pena foi reduzida depois que ele se declarou culpado. Ele foi preso na cidade tailandesa do norte de Chiang Mai em 2015 por supostamente publicar dez mensagens e imagens no Facebook consideradas insultantes para a monarquia.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a iLaw, um grupo de monitoramento legal tailandês, Wichai negou inicialmente as acusações, mas depois confessou esperar mais de um ano de prisão para que os procedimentos judiciais começassem. Seu advogado disse que ele, que esteve em uma prisão de Bangkok desde sua detenção, não apelará contra o veredicto do tribunal.

Os repórteres foram impedidos de entrar no tribunal militar onde o veredicto de Wichai foi lido.

Ainda nessa sexta-feira, um tribunal criminal condenou outra suspeita de lesa-majestade a dois anos e meio de prisão por carregar um clip de áudio de um programa de rádio político subterrâneo, que foi considerado insultante para a monarquia.

Leis na Tailândia são severas

A monarquia na Tailândia é protegida por leis conhecidas como lesa-majestade, segundo as quais qualquer um que que insulte um membro da família real tailandesa pode pegar até 15 anos de prisão por cada acusação.

Publicidade

O uso da lei draconiana surgiu sob uma junta realista que conquistou o poder em 2014 , com mais de 100 pessoas acusadas desde o golpe. As perseguições continuaram sob o novo rei da Tailândia, Maha Vajiralongkorn, que tomou o trono no final de 2016, após a morte de seu pai, que era profundamente reverenciado .

Alguns críticos observaram de perto como o novo rei se aproxima da polêmica lei, que, de fato, bloqueia o escrutínio da monarquia opaca e poderosa da Tailândia.

Os suspeitos de praticar lesa-majestade raramente são absolvidos ou concedidos a fiança. O órgão dos direitos das Nações Unidas advertiu que o uso generalizado da lei pela Tailândia "pode ​​constituir crimes contra a humanidade".

A Monarquia da Tailândia é uma monarquia constitucional do Reino da Tailândia. Desta forma, o Rei, como chefe de Estado, é o mais alto cargo público do país. Os membros da casa real tailandesa pertencem à Dinastia Chakri.