A grave crise politica que atinge em "cheio" o governo do presidente #Michel Temer, parece ter alcançado um novo patamar, a partir de declarações e críticas entre representantes de instituições brasileiras. Dessa vez, em lados opostos estão o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (#oab), Cláudio Lamachia. Ambos trocaram "farpas" neste sábado (17), em se tratando da demora para a apreciação do pedido de impeachment do presidente da República, que havia sido apresentado pela Ordem dos Advogados do Brasil.

Com a deflagração da crise política no Brasil, principalmente após a divulgação do conteúdo da gravação de conversas entre o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista, cerca de catorze pedidos de impeachment já foram encaminhados para a Câmara Federal, cuja análise ainda não foi realizada.

Publicidade
Publicidade

Já o pedido que confere à OAB foi protocolado em 25 de maio no #Congresso Nacional.

'Configuração de impeachment', segundo OAB

De acordo com o entendimento do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, está configurado que é cabível um processo de afastamento direcionado contra o presidente da República Michel Temer. Cláudio Lamachia entende que Temer já havia confirmado o teor da conversa que tivera com o empresário Joesley Batista, dono do grupo JBS, em que acabaram sendo narrados diversos fatos ilícitos, segundo o representante da OAB. Entretanto, Lamachia criticou duramente o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, pela demora na análise do processo de afastamento de Temer. Ele ressaltou que a Câmara não poderia estar agindo com cinismo, já que o presidente da Casa deve satisfação à população brasileira e, devido a isso, deve pautar com extrema urgência as análises das solicitações de impedimento.

Publicidade

Por sua vez, Rodrigo Maia rebateu prontamente as palavras de Lamachia, ao afirmar que não lhe caberia comentar resoluções do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, além do presidente da Câmara não se considerar 'comentarista' de agenda de advogados, assim como também não caberia ao presidente da OAB comentar ritos e procedimentos inerentes ao processo legislativo do país.

A troca de acusações foi ainda mais longe, quando Cláudio Lamachia foi incisivo ao comentar que Rodrigo Maia não teria conhecimento sobre a Constituição Federal do Brasil, algo considerado fundamental para o exercício do cargo em que ele ocupa. Lamachia concluiu ainda ao dizer que Maia estaria se recusando a analisar o processo de impeachment, de modo que pudesse atuar como muralha de proteção a seus aliados políticos que estão sendo investigados. O presidente Michel Temer enfrenta talvez, a pior fase de todo o seu governo, ao tornar-se alvo de uma investigação e possível denúncia através da Procuradoria-Geral da República, para os próximos dias. Temer é acusado pela prática de crimes, conforme a divulgação do conteúdo da delação premiada de Joesley Batista.