O deputado federal Jair Messias Bolsonaro sempre defendeu o regime militar que aconteceu em 1964 no Brasil como um período necessário para a democracia brasileira, pois o próprio entende que o regime fechado foi para evitar que o país fosse dominado pelo comunismo, só que uma questão que está sempre em alta, é se o parlamentar apoia uma nova #Intervenção Militar nos tempos atuais, já que o país está passando por uma nova crise política e o assunto vem voltado a ficar em alta pelos apoiadores das Forças Armadas no poder.

Em um programa de entrevista da internet 'Cara a Tapa', guiado por Rica Perrone, o deputado federal foi questionado se é a favor de uma nova intervenção militar nos tempos atuais, e sua resposta foi contundente.

Publicidade
Publicidade

#Jair Bolsonaro disse que se acontecer uma guerra civil de direita contra esquerda no país, as Forças Armadas teriam que tomar conta da situação, ele até usou como exemplo perguntando para o Rica Perrone se ele seria a favor da polícia militar dentro da sua casa, e evidentemente o apresentador disse que não, mas logo em seguida o deputado falou "e se tivesse bandidos rendendo sua família", aí a resposta dele mudou.

Fala do Bolsonaro

"O Brasil, pode ter certeza de uma coisa, as Forças Armadas vão tomar providência se nós descambarmos uma guerra civil", afirma o deputado federal Jair Bolsonaro.

Após ser questionado se é possível uma intervenção militar sem ser uma ditadura, o pré-candidato desvia da pergunta dizendo que teriam muitas guerrilhas com o 'pessoal da esquerda'.

O deputado federal e pré-candidato a presidência da república, afirmou que o melhor para o Brasil no momento é seguir a democracia e em 2018 eleger um bom presidente, eleição na qual ele quer estar como candidato, e ainda lembrou de seu projeto aprovado na câmara dos deputados, do voto impresso.

Publicidade

Jair Bolsonaro reafirmou que a voto impresso é muito importante para a recontagem dos votos após a eleição e disse que não pode provar que houve fraude, mas que também não é possível provar que não teve.

Ao falar sobre assumir a candidatura para presidente do Brasil em 2018, o parlamentar citou a hipocrisia do TSE, órgão que não deixa ele falar que é candidato por afirmar ser antecipação de campanha, mas pode falar que é um pré-candidato. Bolsonaro lembrou que tem de fazer aliança com algum partido par ater uma legenda para 2018, já que seu partido atual (PSC) fez coligações com partidos de esquerda no Norte do país.