O procurador-geral da República, #Rodrigo Janot, pode ter ultrapassado os limites da lei. De acordo com informações da revista Isto é, duas ligações telefônicas, que ainda estão sob sigilo e foram interceptadas pela #Polícia Federal, mostram a conversa desesperadora da procuradora da República, Caroline Maciel, com o seu colega Ângelo Goulart.

No diálogo entre eles, Caroline alerta Goulart que a candidata à Procuradoria-Geral da República, Raquel Dodge, é considerada por Janot uma inimiga e que ele não tolerava nenhum apoio a ela. Segundo Caroline, Janot estava ameaçando quem apoiasse ela e Goulart era uma dessas pessoas.

Publicidade
Publicidade

Após sete dias depois dessa conversa, o procurador Ângelo Goulart acabou sendo preso por determinação de Janot.

Outro ponto preocupante da conversa, mostra as investidas de Rodrigo Janot contra os parlamentares que são a favor de Raquel. Em tom de grande apavoramento, Caroline cita que o apoio do presidente do DEM, José Agripino Maia (RN), revoltou o procurador da República e agora ele está no encalço do parlamentar. O procurador da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Rodrigo Telles de Souza, também compartilha dessa mesma apreensão de Caroline. Eles temem que sobrem até para eles a ira de Janot, por quem são submetidos.

Áudios devastadores

As gravações interceptadas pela Polícia Federal são devastadoras e podem complicar a imagem de Janot. E tudo isso está ocorrendo num momento crucial e de suma importância da Operação Lava Jato.

Publicidade

Se forem comprovados indícios de que Janot esteja se movimentando em favor de seus interesses políticos, as suas ações podem ser contestadas mais pra frente. As suas mais recentes decisões foram a prisão da irmã do senador afastado Aécio Neves, Andrea Neves, a de um ex-assessor do presidente #Michel Temer, Rodrigo Rocha Loures e de uma denúncia contra o ex-presidente do PSDB.

Michel Temer

Um dos alvos do procurador da República é o presidente Temer. Nos próximos dias, ele vai denunciar o peemedebista por corrupção passiva e organização criminosa. A pergunta que fica é se diante de todas esses áudios, Janot teria condições e legitimidade para levar adiante as ações contra o presidente.

Uma das candidatas ao cargo para a sucessão de Janot, Raquel Dodge, tem a preferência de Temer. Ela ganhou notoriedade nos processos da Operação Caixa de Pandora. Diante das especulações, ela está muito bem cotada em assumir o cargo e Janot não está suportando isso.