Uma suposta "amizade íntima" entre o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato, e o desembargador do Tribunal Regional Federal, 4° Região, fez a defesa do ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva, pedir esclarecimentos. O recurso pedido pela defesa de Lula, para que essa "amizade" seja investigada, acabou sendo negado, o que fez com que os advogados do ex-presidente não conseguissem reverter essa situação.

Segundo informações que foram divulgadas pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), o ministro Felix Fischer argumentou que a defesa de Lula precisaria apresentar meios processuais que fossem adequados para alegar essa amizade entre Moro e o desembargador tivesse alguma implicação relevante às questões jurídicas.

Publicidade
Publicidade

Os outros ministros do STJ concordaram com a afirmação de Fischer.

No entanto, a defesa de Lula enfatizou que a amizade entre Moro e o desembargador mostrava imparcialidade. A defesa de Lula chegou a pedir que Neto se pronunciasse sobre essa "amizade íntima", e o desembargador preferiu não se pronunciar, afirmando que se os advogados de Lula quiserem, poderiam pedir através dos recursos adequados, a suscitar a ausência de imparcialidade do julgador.

Quando o TRF negou o pedido da defesa, advogados do ex-presidente declararam, que conforme o artigo 109 do Código de Processo Penal, Neto deveria declarar de ofício sua suspeição.

Lula na Lava Jato

O juiz federal Sérgio Moro está muito perto de tomar a decisão sobre o processo em que Lula é réu pelas Operações da Lava Jato. Para o ex-presidente da República, o juiz federal estaria querendo apenas fazer com que o petista torne-se inelegível nas eleições para presidente da República em 2018.

Publicidade

Lula diz que não há "provas concretas" e que nada foi apresentado até agora e enfatiza que "alguém" deverá dar a ele um "pedido de desculpas" por conta de todo esse transtorno em que está vivendo.

Lula fala sobre Temer

O ex-presidente foi questionado sobre a denúncia que o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, apresentou contra o presidente Michel Temer. Segundo Lula, a Procuradoria deve comprovar a tese das denúncias, apresentando materiais e não "simplesmente" dizer que um parlamentar errou. Lula diz não saber se Janot tem razão, mas afirma que é preciso "provas materiais". Lula também citou que "respeita" as investigações da Operação Lava Jato. O petista é réu em cinco ações penais, a maioria por crimes de #Corrupção. #SérgioMoro