Embora a subprocuradora do Ministério Público Federal (MPF) Raquel Dodge tenha sido a segunda colocada na lista tríplice encaminhada ao Palácio do Planalto, ela foi escolhida pelo presidente Michel Temer, nesta quarta- feira (28), para ocupar o lugar do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, cujo mandato de dois anos se expirará dia 17 de setembro. O anúncio da escolha foi feito em poucas e rápidas palavras pelo porta-voz do Palácio do Planalto, Alexandre Parola.

Embora o procurador do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Nicolao Dino tenha obtido 621 votos, ou seja, 34 a mais que Raquel, Michel Temer optou por colocar a primeira mulher nesta função.

Publicidade
Publicidade

Ela conquistou 587 votos. O terceiro colocado foi o subprocurador Mário Bonságlia, que obteve 564 votos, neste pleito organizado pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR).

Planalto especulava que Raquel Dodge tinha preferência do presidente Temer

Segundo o site G1, no Palácio do Planalto, algumas pessoas diziam que Raquel seria a candidata preferida pelo presidente Temer, enquanto Nicolao, o predileto de Janot. Antes de assumir a função, Raquel Dodge, que atua na área criminal, deverá ser ainda passar por uma sabatina no Senado Federal.

O site UOL, lembra que Nicolao defendeu a cassação do mandato de Temer e a inelegibilidade da ex-presidente Dilma Rousseff. Informa também que 1.108 subprocuradores do Ministério Público participaram do processo dessa eleição, mas o número de votos é maior que o de votantes porque cada eleitor pode escolher até três candidatos.

Publicidade

A opção do presidente Michel Temer por Raquel Dodge faz com que ele modifique protocolo, já que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a sua sucessora, a ex-presidente Dilma Rousseff acatavam os indicados na lista tríplice com o maior número de votos. Por outro lado, a Constituição Federal atribui ao presidente da República a prerrogativa na escolha do dirigente do Ministério Público Federal (MPF).

Denúncias contra Temer serão analisadas com ‘temperança e destemor’

Em vídeo no blog do jornalista Josias de Souza contendo entrevista com Raquel Dodge, ao ser questionada sobre as denúncias que pesam sobre o presidente Michel Temer, a subprocuradora responde: “Meu posicionamento é de temperança e destemor, comprometido com avaliação de prova e com aplicação da lei constitucional”.

Raquel enfatizou sua compreensão em torno da expectativa e constrangimento sobre estes fatos, destacando que a lista tríplice é afiançada por membros do MP que depositam nesses postulantes condições para exercerem livremente esta sua atribuição em favor do povo brasileiro. #procurador-geral #sabatina #destemor