Nesta segunda-feira (19), o presidente Michel Temer enviou uma resposta à modelo brasileira #Gisele Bündchen anunciando o veto de Medidas Provisórias que poderiam causar grande desmatamento na Amazônia. A modelo apelou para que o presidente não aprovasse as medidas que foram distorcidas na Câmara dos Deputados.

Temer decidiu e vetou "integralmente" trechos de duas medidas provisórias. O veto foi confirmado mais tarde pela assessoria do Palácio do Planalto. De acordo com especialistas, caso o presidente sancionasse as propostas, ocupações ilegais de terras seriam favorecidas e a floresta seria vítima de grandes desmatamentos.

Publicidade
Publicidade

Gisele Bündchen havia publicado em seu Twitter mensagens em português e inglês pedindo para que o presidente vetasse esses projetos polêmicos. Ela disse, citando #Michel Temer, que "é nosso trabalho proteger nossa Mãe Terra".

O peemedebista respondeu a Gisele e à ONG WWF, também pelo Twitter, que havia decidido pelo veto.

Propostas

A Medida Provisória 756 tinha como objetivo ampliar os limites do Parque Nacional do Rio Novo, no estado do Pará, com isso diminuindo assim, uma parte da Floresta Nacional do Jamanxim. O parque ambiental do Jamanxim é uma santuário de 1,3 mil hectares com uma grande variedade de espécies nativas da Amazônia.

O parque já havia sofrido ameaça de exploração predatória por ficar perto da estrada Cuiabá-Santarém.

Os parlamentares também incluíram no projeto uma alteração no Parque Nacional de São Joaquim, em Santa Catarina.

Publicidade

Críticas

As MPs foram duramente criticadas pelos especialistas que viram a grande chance de facilitar o desmatamento nas regiões. O Ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, também se manifestou contra essas alterações realizadas no Congresso e disse que confiava no presidente Temer em vetá-las.

Um dos defensores das medidas, é o presidente da Federação da Agricultura do Pará (Faepa), Carlos Xavier. Segundo Xavier, as mudanças trariam desenvolvimento para a região amazônica. Seria uma segurança, não só na área fundiária, mas também, na área social e econômica, disse Xavier.

O presidente da Faepa também ressaltou que além do cuidado com o meio ambiente, deve haver também, oportunidade das pessoas produzirem.

O pesquisador Imazon Heron Martins afirmou que Michel Temer fez bem em vetar as MPs, pois elas trariam crimes ambientais às regiões, sendo propostas extremamente negativas para toda a Amazônia. #amazonia