O Exército Brasileiro e as #Forças Armadas deixam claro, através de um mantra firmado pelo comandante e general Eduardo Villas Boas, que o compromisso do órgão é sempre focar no respeito à Constituição, as Leis e a Ordem. Há uma grupo de pessoas na população brasileira que é favorável a uma intervenção militar no Brasil, mas o Exército não exibiu nenhum sinal de que isso seja possível de ocorrer, já que no momento, a "arma" que utilizam é seguir o exemplo da Constituição.

Conforme o Brasil vive momentos de instabilidade política, as Forças Armadas fazem o uso de sua inteligência e informação para monitorar com atenção os acontecimentos.

Publicidade
Publicidade

Uma das formas utilizadas pela chefia do Exército é manter diálogos com a esquerda brasileira, a direita e com os jornalistas, pessoas com influência que podem passar informações necessárias, trazendo mais clareza aos acontecimentos no cenário político.

Recentemente, houve uma reunião no Quartel do Exército com a chamada "reserva pró-ativa", eles discutiram a crise #Política. Uma foto foi até postada na rede social "Twitter" pelo General Villa Boas, na legenda ele afirma que convidou os generais Cardoso, Heleno, Bolivar e Rocha Paiva para discutir sobre o Brasil. A reunião teria até deixado o Congresso "inquieto".

General acusado pela mídia

O general Sergio Etchegoyen negou as acusações que a revista "Veja" fez, afirmando que a Abin teria monitorado o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e relator dos processo da Lava Jato, Edson Fachin.

Publicidade

Etchegoyen é ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional e afirmou com confiança que a Agência Brasileira de Inteligência, a Abin, não teria de forma alguma monitorado Fachin.

A Abin é subordinada ao gabinete de Sergio Etchegoyen. A presidente do Supremo, Cármen Lúcia, recebeu uma ligação do general reafirmando que a agência não iria se submeter a uma "bisbilhotagem".

O ministro Edson Fachin homologou a delação premiada dos executivos da empresa JBS, os irmãos Joesley e Wesley Batista. A delação incriminou o presidente da República, Michel Temer, que teve até áudios grampeados. As acusações causaram diversas turbulências ao #Governo, trazendo ainda mais crise à política brasileira.

O General Sergio Etchegoyen reforçou que a Abin é confiável e que o trabalho que vem sendo realizado reforça suas palavras. O Palácio do Planalto também se pronunciou perante a imprensa, negando a acusação de monitoramento ao ministro Fachin.