Foi cobrada uma decisão judicial por parte do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, com o objetivo de determinar o cumprimento do afastamento do ex-senador #Aécio Neves do Senado.

O senador teve seu afastamento decretado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, #Edson Fachin, no mês de maio deste ano, após ter sido citado na delação concedida por Joesley Batista, dono da empresa JBS. O empresário divulgou para a imprensa uma gravação em áudio de Aécio Neves pedindo propina para arcar com o pagamento da sua defesa nas investigações da operação da Lava Jato.

Apesar do decreto, o nome do senador ainda consta na lista dos parlamentares em exercício, como também no painel de votações do Senado, segundo informações do jornal “Folha de São Paulo”.

Publicidade
Publicidade

“Uma decisão judicial, até onde eu tenha conhecimento, não foi alterada e deve ser cumprida. Mas, como podemos ver nessa quadra, é comum o não cumprimento da decisão judicial. Isso é estranho, tempos muito estranhos”, disse o ministro Edson Fachin, relator do processo, ao jornal.

Senado diz que não descumpre decisão judicial

Logo após a declaração do ministro Edson Fachin, o Senado divulgou uma nota informando que não estava descumprindo a decisão judicial, mas que estava aguardando, com serenidade, informações adicionais de como deveria ser prosseguido o cumprimento da decisão referida.

A assessoria de imprensa do STF contestou a nota, retificando que não existe a necessidade de esclarecimentos adicionais para que a decisão judicial seja cumprida. O ministro Marco Aurélio concedeu uma entrevista ao jornal “Folha de São Paulo” e afirmou que o que tem acontecido no Senado deve ser investigado.

Publicidade

Ainda segundo informações vindas do gabinete do ministro Marco Aurélio, foi assinada uma intimação pelo presidente do Senado para determinar oficialmente o afastamento do senador Aécio Neves no próximo dia 18 de junho de 2017.

Alberto Zacharias Toron é advogado de Aécio Neves e comunicou que o senador “tem cumprido as medidas determinadas de forma liminar pelo ministro Edson Fachin, tendo se afastado completamente do Senado e de todas as demais atividades envolventes do parlamentar”, afirmou por meio de uma nota, que também foi divulgada nas redes sociais.

A Procuradoria Geral da República (PGR) fez um pedido de prisão para o senador Aécio Neves, mas o pedido foi negado pelo ministro Edson Fachin. Ele determinou apenas o afastamento do parlamentar, o proibindo de exercer seu mandato como senador. #Senado Federal