O coordenador da força-tarefa do Ministério Público Federal na #Lava Jato, procurador, #Deltan Dallagnol, comentou, nesta sexta-feira (30), perceber uma articulação da sociedade para criar novas medidas de combate à #Corrupção, após o Congresso não valorizar o projeto de Lei das Dez Medidas contra a Corrupção. Segundo Dallagnol, alguma coisa tem que ser feito: se o Congresso não apoiar esse projeto, o povo deve mudar quem está lá.

O projeto entrou em votação no mês de novembro do ano passado, um dia depois da tragédia com a queda do avião dos jogadores da Chapecoense. Na ocasião, os parlamentares alteraram o projeto, esvaziando as propostas e substituindo por outras que acabam freando as investigações da operação.

Publicidade
Publicidade

Diante de tudo isso, Dallagnol revelou que teve vontade de desistir. Ele ficou frustrado com tantas investidas de poderosos contra a Justiça e se sentiu mal com isso. A impressão que se tem é que o povo, mesmo com sua força, não conseguiu vencer.

Mas, o procurador da República afirmou ter levantado a cabeça e decidiu não deixar a derrota prevalecer em seus anseios e resolveu continuar em frente, buscando outras alternativas. O procurador frisou que se o Congresso não vai aceitar a proposta das Dez Medidas contra a Corrupção, o jeito é mudar quem decide as coisas por lá.

Receio

Deltan Dallagnol admitiu que tem um leve receio da ineficiência do sistema jurídico criminal porque, segundo sua visão, o sistema de Justiça criminal é disfuncional em relação ao crime das pessoas que tem o poder nas mãos.

Publicidade

O coordenador da força-tarefa da Lava Jato ressaltou que a operação não é feita de heróis, pois ninguém pode salvar nada, apenas o povo é que pode se salvar.

Para Dallagnol, a Lava Jato só dará certo se as condições que incentivam a podridão dos crimes forem combatidas com muita determinação.

Perseguição

De acordo com o procurador, existe, hoje uma guerra de comunicação para tentarem destruir a Lava Jato. O objetivo dos poderosos é tirar a legitimidade das ações de combate à corrupção, diz ele.

Uma das críticas feitas por Dallagnol é a forma como alguns políticos se colocam como vítimas e dizem ser perseguidos pela Justiça. Ele citou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente Michel Temer e o ex-deputado Eduardo Cunha. Os três usam a mesma estratégia ao afirmarem que são perseguidos.

Isto ocorre quando eles estão encrencados e possuem poucas saídas. O discurso da perseguição política é um dos principais recursos utilizado por eles.