O procurador da Lava Jato Carlos Fernando dos Santos Lima criticou duramente o #Governo do presidente Michel Temer depois da suspensão da emissão de passaportes. Nas redes sociais, Lima afirmou, nesta quarta-feira (28), que está ocorrendo um "sufocamento" da Polícia Federal (PF) por parte do governo. O procurador demonstrou grande insatisfação também com a redução do número de investigadores em Curitiba determinada por Temer.

De acordo com Carlos Fernando Lima, o governo "sufoca" a PF, pois consegue inviabilizar até mesmo a emissão de um simples passaporte. O procurador se mostrou preocupado com as diversas investigações que tendem a sofrer com os enfrentamentos do governo.

Publicidade
Publicidade

Em maio deste ano, Lima já havia falado sobre o absurdo de diminuir o número de investigadores da PF, reduzindo a força-tarefa da Lava Jato. Ele disse que era incompreensível a diminuição do quadro.

A PF afirmou que a suspensão da emissão dos passaportes foi devido o orçamento para gastos previstos na lei orçamentária da União chegar ao limite e o governo não ter como arcar com os documentos. No momento, não há previsão para a entrega de documentos solicitados.

Constrangimento

Carlos Eduardo Sobral, presidente da Associação Nacional dos Delegados da #Polícia Federal, afirmou que o governo havia sido alertado sobre o valor ser menor do que o necessário, mas mesmo assim a corporação não foi ouvida. Agora, ficou uma situação crítica, onde a PF não tem recursos para serem repassados para a Casa da Moeda, que é a responsável por fazer os documentos.

Publicidade

O delegado ressaltou que isso é algo "constrangedor" para a PF. São emitidos por dia 11 mil documentos pela corporação. Segundo Sobral, o problema não está ocorrendo em decorrências de brigas políticas, mas pela redução do orçamento. Os alertas de que isso poderia acontecer foram feitos várias vezes ao governo.

Falta de autonomia

O delegado também comentou que o dinheiro pago pela confecção dos passaportes, no caso R$ 257, não vai para a PF, mas, sim, para o governo federal. A PF não tem autonomia para gerir essa taxa.

Sobral afirmou que se a PF tivesse mais autonomia em decisões as suas obrigações poderiam ser diferentes. A instituição tem sofrido diversos cortes orçamentários e tem sido prejudicada.

Segundo as informações, o agendamento on-line para tirar ou renovar o passaporte irá continuar e o atendimento nos postos também, mas a entrega do documento não tem previsão de normalizar. #Michel Temer