O registro das investigações contra o presidente Michel Temer no Supremo Tribunal Federal (STF), feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, nesta segunda-feira (26), fez com que o peemedebista viesse a público nesta terça-feira (27) se posicionar aos brasileiros sobre a ocorrência dos fatos. Janot denunciou Temer por crime de corrupção passiva, com base na delação premiada do empresário Joesley Batista, um dos proprietários da JBS, na Operação Lava Jato.

O procurador recomenda a perda de mandato do presidente e pagamento de R$ 10 milhões para indenizar a Nação. Ele tem ainda o prazo até a próxima terça-feira (4) para formalizar outras denúncias contra Temer, de obstrução de Justiça e participação em organização criminosa.

Publicidade
Publicidade

Sorrisos de Temer foi desaparecendo com voz mais contundente

Defendendo-se das acusações, Temer, que se torna o primeiro presidente do Brasil denunciado por #corrupção passiva no mandato, começou explicações com sorrisos, que foram desaparecendo à medida que sua voz precisava ser mais contundente. O presidente chamou de “ilação” e “novela”, as investigações que fizeram contra ele.

“Conheci o verdadeiro Joesley juntamente com todos os brasileiros, quando ele revelou os crimes que cometeu ao Ministério Público sem nenhuma punição”, afirmou.

Janot apresentará novas denúncias semana que vem

O presidente, de acordo com o portal G1, disse que Janot fez o que ele mais temia, fatiando as denúncias. Se disse assustado, porque regras básicas da Constituição Federal estariam sendo jogadas no lixo, tripudiadas pela “embriaguez da denúncia que busca revanche, destruição e vingança”.

Publicidade

Sobre a divisão dos processos que Rodrigo Janot apresentará semana que vem, Temer enfatizou que essa decisão é para provocar “fatos semanais” contra o seu governo, paralisando o País, num ato político com denúncias frágeis e precárias.

Ataques à República requerem provas robustas e não pode ser ilação

Temer criticou ainda ataques contra a Presidência da República e sua pessoa. “Para atacar a instituição Presidência da República são necessárias provas robustas, as denúncias não podem vir por #ilação”, destacou Michel Temer.

O presidente encerrou elencando realizações de seu governo, como queda da inflação, redução de juros e liberação do Fundo de Garantia por Tempo e Serviço (FGTS) para milhões de brasileiros. Ele disse: “Não admitirei ataques à instituição República, nem ao homem Michel Temer”.

Tramitação do processo contra Temer

Conforme o site Brasil 247, a peça processual apresentada no STF deverá seguir para Câmara dos Deputados, onde o presidente Rodrigo Maia notificará Michel Temer e encaminhará à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa.

Publicidade

Temer terá, então, dez sessões da Câmara para argumentações. A partir daí, a CCJ terá o prazo de cinco sessões do plenário para se manifestar sobre a denúncia.

Se houver pedido de vistas, deverá ocorrer mais duas sessões na Casa. O parecer é aprovado se tiver ao menos 2/3 dos votos do total de 513 deputados, ou seja, 342 votos. Temer precisa de 172 votos para arquivar o processo. Caso haja admissão da acusação, será instaurado processo no STF. #punição