O procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, um dos responsáveis pelas investigações da Operação Lava Jato no Paraná, utilizou sua conta na rede social Facebook, nesta quinta-feira (29), para fazer um apelo aos parlamentares que irão julgar a acusação contra o presidente da República, #Michel Temer.

Carlos Fernando pediu para que a Câmara dos Deputados deixe para o Judiciário julgar essa ação que tramita contra o presidente. O pedido do procurador foi feito no mesmo dia em que a denúncia chegou à Câmara.

A publicação de Carlos Fernando ainda sugere que uma lista seja apresentada mostrando o nome de todos os deputados distinguindo os que votaram "não" para a denúncia os que votaram "sim", e ainda os que resolveram "fugir" da votação.

Publicidade
Publicidade

O procurador é enfático e cita que os nomes dos deputados contrários à acusação não devem ser esquecidos quando houver novas eleições no próximo ano, e que esses deputados devem ser "punidos" através das urnas eletrônicas.

Para que a denúncia chegue até o Supremo Tribunal Federal (STF) serão necessários votos de dois terços dos deputados federais, ou seja, 342 votos. Caso não sejam obtidos votos suficientes, o presidente Michel Temer continua no comando do Brasil até as próximas eleições.

Depois que sair do cargo é que poderá ser julgado, já que perderá o foro privilegiado. Se os deputados votarem a favor da denúncia, Temer terá um prazo de 15 dias para apresentar a defesa.

Acusação contra presidente

Michel Temer é acusado pela Procuradoria Geral da República (PGR), juntamente com seu ex-assessor pessoal e ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, pelo crime de #Corrupção passiva.

Publicidade

Após a Polícia Federal flagrar o ex-deputado saindo de um restaurante com uma mala recheada de R$ 500 mil, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reuniu evidências e acusou Temer teria influência sob o dinheiro que estava na mala.

Temer também foi citado em delação premiada do dono da empresa JBS, Joesley Batista. O presidente processou Joesley por ter sido citado como "chefe de uma organização criminosa".

Opinião de procurador

Segundo Carlos Fernando Lima, as colaborações em delação premiada são a melhor forma de combater a corrupção do Brasil. O procurador é acostumado a fazer postagens polêmicas em suas redes sociais. O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes também foi alvo de críticas de Lima, que ressaltou que o Mendes não deveria "prevalecer".

Esta semana, a Suprema Corte decidiu que os acordos de delação premiada poderão ser revisados pelo plenário, caso haja descumprimento com acordos entre o Ministério Público Federal (#MPF).