O ex-presidente da República Luiz Inácio #Lula da Silva demonstrou grande "indignação" ao tomar conhecimento através da imprensa de um encontro que teria ocorrido no domingo (18) entre figuras carimbadas do #PT e outros partidos de esquerda, além de representantes de movimentos ligados à pauta de mesmo perfil ideológico.

Um dos principais motivos de grande preocupação de Lula é o fato de petistas, como o senador #Lindbergh Farias (PT-RJ), terem se reunido com integrantes do PSOL e de movimentos esquerdistas para implementar estratégias sem o consentimento de toda liderança do partido. Eles ainda teriam discutido no encontro a implementação de um programa comum de governo para o país, em uma eventual disputa eleitoral para a Presidência da República.

Publicidade
Publicidade

Lula 'contrariado' com Lindbergh

Lula demonstrou enorme insatisfação com o senador de seu partido, Lindbergh Farias. O ex-mandatário do país soube da reunião apenas na última terça-feira (20), através da imprensa. O encontro "reservado" entre grupo de petistas, representantes de movimentos esquerdistas e dirigentes do PSOL teria o intuito de discutir uma agenda comum, com base em uma estratégia eleitoral para a oposição ao governo do presidente da República Michel Temer.

O que acabou alavancando toda a "contrariedade" de Lula em relação ao correligionário Lindbergh Farias se refere ao fato de ambos terem se reunido na segunda-feira (19), na sede do Partido dos Trabalhadores (PT), em São Paulo, mas nada teria sido mencionado pelo senador.

O grande descontentamento de Lula também repercutiu entre integrantes da cúpula petista, já que alguns dirigentes acreditam que a reunião pode ter tido como mote a criação de um "embrião", sinalizando um novo partido.

Publicidade

Alguns dos dirigentes foram solidários a Lula e chegaram a chamar seus colegas que foram ao encontro de "desonestos". Já o ex-ministro da Casa Civil, Gilberto Carvalho, tentou "minimizar" o encontro.

A reunião contou ainda com a participação de Guilherme Boulos, chefe do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) e da Frente Povo Sem Medo, além da presença do ex-ministro da Justiça do governo Lula, Tarso Genro.