Em entrevista divulgada neste sábado (03), pelo jornal português "Expresso", o juiz federal Sérgio Moro citou que não vê riscos de retrocesso democrático no Brasil. Segundo o magistrado, as instituições são fortes o suficiente para aguentar essa turbulência política envolvendo o país.

De acordo com o juiz, a população brasileira deseja que seus políticos sejam íntegros e que não se envolvam em esquemas corruptos. A Operação Lava Jato trouxe ao país uma "verdade escondida" sobre fraudulentas organizações criminosas que "enxugaram" o dinheiro dos cofres públicos. A Operação mais famosa contra a corrupção pegou desprevenidoas pessoas poderosas que jamais imaginavam estar presas.

Publicidade
Publicidade

O juiz ressaltou que as investigações continuarão com todas as forças conforme vão surgindo mais provas contra os criminosos. Não há mais data para ser terminada a operação. "Não há saída mais honrada do que seguir adiante", disse o juiz, se retratando sobre os avanços das investigações.

Segundo o magistrado, acabar com a corrupção é difícil, mas reduzi-la é um dos maiores objetivos da Justiça. Moro comentou que a corrupção sistemática deve acabar para que os negócios públicos sejam conduzidos corretamente.

"Escudo" da Lava Jato

Para o juiz, o mais importante apoio que a força-tarefa tem é a opinião pública. Ele destacou o papel da sociedade que tem se tornando o verdadeiro "escudo" da Lava Jato. As pessoas poderosas envolvidas em escândalos são pressionadas pelo povo e acabam não conseguindo criar manobras para fugir da Justiça.

Publicidade

Vários ministros, empresário e políticos já foram presos, coisas que antes da operação, era impossível acontecer.

Liberdade de informação

O juiz defende a liberdade de informação, pois todos os crimes contra a administração pública são de interesse das pessoas e elas devem saber o que está acontecendo. Para o juiz, a visibilidade dos fatos e a publicidade ajudam as pessoas a julgarem seus governantes e acompanharem o que eles fazem para a sociedade. Serve também para o povo analisar os trabalhos da Justiça, que não pode aceitar que esses tipos de crimes destruam o país.

Moro lembrou que esse foi um dos motivos dele divulgar o áudio gravado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na visão do juiz, esses diálogos não eram privados, mas sim, deveriam ser mostrados para a sociedade. É o povo quem coloca os políticos no poder e por isso deve saber de todas as ações deles. #Sergio Moro