Michel Temer realizou uma reunião que durou cerca de duas horas no último domingo (25) com a alta cúpula do governo para definir estratégias para barrar na Câmara dos Deputados a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra ele por corrupção e tentar armar maneiras de aprovar a reforma trabalhista no Senado Federal.

A reforma trabalhista está marcada para ser votada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado na próxima quarta-feira (28). A preocupação se dá porque essa proposta do governo já foi derrotada na última terça-feira (20) ao ser votada na Comissão de Assuntos Internacionais. A derrota acendeu o sinal de aleta no Planalto, por isso a preocupação.

Publicidade
Publicidade

Segundo o secretário de Governo, Antonio Imbassahy (PSDB-BA), Michel Temer, nos últimos dias, ligou pessoalmente para oito senadores para tratar sobre a reforma. O tucano ainda afirmou acreditar que o governo conseguirá aprovar a reforma com vantagem considerável.

O advogado de Michel Temer, Gustavo Guedes, foi um dos presentes na reunião. Fontes do Planalto negam que houve discussão sobre a situação jurídica de Temer, que espera para essa semana a denúncia de Rodrigo Janot contra o peemedebista. #Dentro da política