O Ministério Público Federal (MFP) pediu ao juiz Sérgio Moro que decrete a prisão do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva e de outros seis réus, sob as acusações de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro.

De acordo com o portal de notícias online G1, os promotores responsáveis pelas investigações no caso do triplex, pediram, nesta sexta-feira (2), a prisão do ex-presidente Lula e o pagamento de um multa no valor total de R$ 87 milhões. Além de Lula, outras seis pessoas também devem ser presas. Saiba mais.

Lula na cadeia

O pedido de prisão em regime fechado vem acompanhado das alegações finais do processo que investigou o pagamento de propinas pela empresa OAS, ao ex-pesidente Luiz Inácio Lula da Silva, através da entrega de um apartamento triplex, localizado na cidade de Guarujá, litoral paulista.

Publicidade
Publicidade

A OAS teria repassado este apartamento para Lula em troca da facilitação de contratos entre a empresa e a Petrobrás, durante o período em que ele foi presidente da República. Além do já 'famoso' triplex do Guarujá, a OAS também teria contratado e feito o pagamento a empresa de mudanças Granero, para transportar e armazenar o acervo que Lula recebeu ao deixar a presidência do Brasil.

Além de Luiz Inácio Lula da Silva, também são réus neste processo, José Adelmário Pinheiro, Agenor Franklin Magalhães Medeiros, Paulo Gordilho, Fábio Yonamine, Roberto Moreira Ferreira, Paulo Okamotto. José Adelmário é o ex-presidente da OAS, os demais citados são executivos da empresa, todos acusados de lavagem de dinheiro.

De acordo com o MPF, quem oculta ser proprietário de um imóvel pratica lavagem de dinheiro e que a entrega do apartamento da OAS para Lula configura crimes de corrupção contra a Administração Pública Federal.

Publicidade

A ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva, também era ré no processo, mas teve seu nome retirado do mesmo depois do seu falecimento, em fevereiro de 2017.

Além da prisão dos réus, o Ministério Público Federal pediu ao juiz Sérgio Moro a apreensão de R$ 87.624.971,26, valores referentes ao pagamento de propinas pagas pela OAS, pela concretização dos contratos junto a Petrobras e outros agentes públicos.

Vale ressaltar que as defesas dos réus têm até o dia 20 de junho para recorrer da decisão do MPF, está é a última fase do processo. Depois deste prazo Sérgio Moro vai julgar e definir se condena ou absolve os réus.

O ex-presidente Lula fez um discurso nesta quinta-feira (1), no 6º Congresso Nacional do PT, que aconteceu em Brasília, onde ele afirmou que exige o "fim da palhaçada", pois ele já provou sua inocência. #SérgioMoro #Lava Jato