Brasília viveu uma segunda-feira agitada por conta da denúncia feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que colocou Michel #Temer como autor de crime de corrupção passiva por conta do envolvimento com a JBS. Agora, o presidente tem seu futuro nas mãos da Câmara dos Deputados para não ir a julgamento no STF. Veja como a situação repercutiu entre os principais políticos.

Alessandro Molon, deputado federal, Rede-RJ: "Há provas robustas na denúncia. Primeira vez que o país tem um presidente prestes a se tornar réu por corrupção. O governo tentará enterrar a denúncia na Câmara, mas não vai ser fácil porque o povo brasileiro cansou de tanta impunidade".

Publicidade
Publicidade

Carlos Marun, deputado federal, PMDB-MS: "Para mim, não há nada de novo. O que está havendo é uma vontade do Rodrigo Janot. O que o procurador pensa não é o mais importante, mas sim provas, que até agora eu não vi nenhuma".

Sílvio Torres, deputado federal, PSDB-SP: "Um presidente quando é denunciado, evidentemente, passa a ter dificuldades para fazer o país andar. Se antes já estava difícil manter a base, agora bem mais difícil manter unida e forte em torno de um projeto que ele lideraria".

Humberto Costa, senador, PT-PE: "Isso agrava mais ainda o isolamento do Temer e a impossibilidade de seguir. Pelo que sinto, o procurador vai fatiar a denúncia em mais de uma. Acho difícil os deputados votarem duas ou três vezes a favor de Temer".