Surgiram novas fotos de #Omran Daqneesh, o menino cujo rosto ensanguentado e empoeirado se tornou um símbolo de sofrimento durante o cerco de #Aleppo, no ano passado. A família de Omran conversou com a mídia estatal #síria, em uma entrevista transmitida na segunda-feira (5). Nas imagens, Omran parece outro menino, quando o pai apareceu falando que é a favor do governo sírio, apesar de um de seus filhos ter morrido durante um bombardeamento, quando estava dentro de casa. Forças rebeldes acreditam que a entrevista foi manipulada pelos sírios.

Omran foi filmado, em entrevista, pela primeira vez desde que a sua foto foi viral, logo após Aleppo ter sofrido um ataque aéreo, que chocou o mundo, em agosto de 2016.

Publicidade
Publicidade

O menino foi fotografado quando estava sentado na ambulância e não foi o seu rostinho sujo que captou as atenções do mundo. Foi a falta de emoção no seu olhar. Apesar de todo o sofrimento que a imagem tem, Omran não estava chorando e não parecia ter medo. Com a face coberta de pó e sangue, ele parecia conformado com a guerra que se vivia em Aleppo, de tão acostumado que estava com esse clima de tensão, com bombas rebentando o tempo todo e uma cidade destruída.

Seu irmão mais velho, Ali, morreu nesse mesmo bombardeamento, não resistindo aos ferimentos sofridos.

Menino está saudável

Quase um ano depois, Omran não parece mais o mesmo menino. Ele está saudável, e é acarinhado por seu pai e irmãos, brincando com uma bola e acenando uma bandeira do regime sírio, durante o vídeo.

Publicidade

No entanto, muitas pessoas notaram que o menino não sorri, e continua demonstrando alguma falta de emoção, possivelmente pelos traumas sofridos durante essa guerra, onde ele nasceu.

Falando para os repórteres, o pai de Omran disse que a família havia recusado várias entrevistas, de alguma mídia que queria colocar o menino como a imagem de oposição ao governo sírio. Só agora é que eles aceitaram falar e para a televisão do governo. O pai do menino contou que eles sempre foram pró-regime e que não queriam que o menino fosse usado como "ferramenta de propaganda".

A família contou que até teve que mudar o nome de Omran cortar seu cabelo, em um esforço deo proteger da mídia e de grupos rebeldes que ameaçavam sequestrá-lo.

Grupos rebeldes falam em manipulação

No entanto, fontes de grupos rebeldes estão alegando que a família de Omran foi forçada a dar essa entrevista pró-governo. "Se eu estivesse no lugar do pai de Omran e lesse isso, eu sentiria que meu filho Ali estava sendo morto novamente", disse um ativista de Idlib, em declarações citadas pelo jornal Independent.

Publicidade

No passado, o governo sírio ofereceu recompensas aos moradores de cidades, que caíram sob seu controle, para falar publicamente sobre abusos rebeldes.

Aleppo foi controlada pelas forças do governo sírio e de milícias estrangeiras, apoiadas pela Rússia, em dezembro de 2016, após um prolongado cerco e uma campanha de bombardeamento contínuo. A recaptura da cidade, que era a fortaleza dos grupos rebeldes, marcou a mudança definitiva na guerra de seis anos, ficando em favor do presidente Bashar al-Assad.