Um dos mais conceituados juristas de todo o país, Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, advogado também responsável pela defesa do presidente da República #Michel Temer, fez uma análise contundente sobre o atual momento "conturbado" da política brasileira, principalmente, no que diz respeito à situação do atual mandatário do país, que deverá enfrentar momentos considerados "turbulentos", devido à complexidade que envolve a denúncia proferida pela Procuradoria-Geral da República, sob a condução de Rodrigo Janot.

Em uma entrevista concedida à imprensa, o advogado não concorda que haja qualquer tipo de facilidade ou mesmo que o Palácio do Planalto tenha que estar otimista quanto à análise do pedido de autorização da Câmara dos Deputados, para que possa permitir ao Supremo Tribunal Federal (STF) que efetue o julgamento da denúncia contra o presidente Michel Temer pela prática de crime de corrupção passiva.

Publicidade
Publicidade

Estratégias do Palácio do Planalto

Para o defensor do presidente da República, uma das principais estratégias a serem delineadas pelo governo, é tentar implementar a aceleração da tramitação de todas as acusações consideradas formais na Casa Legislativa, já que não poderiam, no entanto, ser realizadas em "detrimento da defesa", segundo argumentação do advogado criminalista. Ainda de acordo com o advogado Mariz, há uma expectativa de que novas denúncias venham a ser apresentadas, o que poderia "tumultuar" ainda mais o ambiente político enfrentando pelo governo do presidente Michel Temer.

O advogado foi ainda mais enfático ao considerar que o Planalto não deve subestimar as decisões dos parlamentares e que não deveria existir um clima de que o governo "já ganhou", em referência à possibilidade de que a denúncia seja rejeitada pela expressa maioria dos congressistas na Câmara Federal.

Publicidade

Entretanto, Mariz ressalta que o papel destinado aos parlamentares é de que possam atuar como verdadeiros "juízes" nesse processo e que a decisão final deve respeitar a liberdade, a dignidade, a honra, em relação à imputação da prática de um crime contra alguém que esteja no mais alto cargo de uma nação, o de presidente da República.

Mariz classifica essa primeira denúncia apresentada pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot, como "algo muito frágil e baseado principalmente, em hipóteses algumas suposições, algo relacionada à verdadeira criação mental, sem que hajam fatos concretos". Antônio Cláudio Mariz fez ainda um grave "alerta" ao afirmar que "Temer está sendo massacrado, porém, possui a responsabilidade de governar o Brasil". #@STF #Congresso Nacional