O presidente da República, #Michel Temer, estaria preocupando seus amigos e familiares. Temer já se mostra muito abalado e triste com os últimos acontecimentos envolvendo seu governo. Um dos interlocutores do presidente afirmou que ele se apresenta como estivesse em uma "guerra sem trincheira nem guarita". Após os escândalos envolvendo delação premiada dos donos da empresa JBS, Wesley e Joesley Batista, a situação de Temer se agravou.

Michel Temer já teria chegado a dizer para seus amigos que iria conseguir alcançar o segundo turno das eleições para presidente do próximo ano, mas conforme denúncias e investigações, a afirmação pode ter se tornado algo distante.

Publicidade
Publicidade

Quem também não estaria feliz, é a primeira dama, #Marcela Temer. A advogada está em um baixo astral, fazendo com que o estado do presidente só piore.

Denúncia

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou uma denúncia de Michel Temer a Câmara dos Deputados. Os parlamentares estarão trabalhando nesta semana para avaliar esse tema. As delações premiadas da JBS foram "peça chave" para a procuradoria abrir denúncia.

Neste última quinta-feira (29), o presidente foi notificado pela casa sobre a denúncia, agora ele terá um prazo de dez sessões da Câmara para que envie sua defesa. Quando a defesa for encaminhada, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) terá mais cinco sessões para debate. Para que a denúncia passe da Câmara dos Deputados até o Supremo Tribunal Federal (#STF) serão necessários 342 votos, do total de 513 deputados.

Publicidade

No Supremo, os ministros da Corte irão decidir se o presidente se tornará réu nesse processo, ou não.

O presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG) contou que irá decidir até está próxima terça-feira (4), quem será o relator da denúncia. Em tom de "mistério", Pacheco disse que o nome escolhido é alguém "técnico" e que tem "independência".

No mesmo dia 4, a ministra e presidente do Supremo, Cármen Lúcia, irá se reunir com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para discutirem os rumos da denúncia.

O envolvimento do ex-assessor especial de Temer, Rodrigo Rocha Loures, fez com que o presidente se "encrencasse" em acusações. Loures foi encontrado saindo de uma pizzaria de São Paulo, "afobado", carregando uma mala recheada com R$ 500 mil e entrando em um táxi. Um vídeo gravado por policiais federais mostra como foi a perseguição ao ex-assessor.