Foi definido no início da noite da última terça-feira (3) o deputado que irá relatar a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Michel Temer por corrupção na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. O presidente da CCJ, deputado Rodrigo Pacheco (#PMDB-MG), entregou a relatoria do caso para seu companheiro de partido - e de Temer -, Sérgio Zveiter (PMDB-RJ).

O deputado Sérgio Zveiter é um advogado renomado. Representando o estado fluminense, já foi presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio de Janeiro por duas vezes. Ele está apenas em seu segundo mandato na Câmara dos Deputados.

Publicidade
Publicidade

Na vida politica, o PMDB é seu terceiro partido. Antes, ele já havia sido filiado ao PDT e PSD. A família Zveiter é famosa no âmbito jurídico do país. O pai do deputado, Waldemar Zveiter, já foi ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Seu irmão, Luiz Zveiter, é desembargador no estado do Rio de Janeiro e ficou famoso nacionalmente por ter trabalhado muitos anos no Superior Tribunal de Justiça Desportiva. Inclusive, para quem acompanha futebol, foi ele que, em 2005, anulou 11 jogos do Campeonato Brasileiro de futebol por suspeita de armação de resultados.

Postura "independente"

O relator da denúncia contra Michel Temer, mesmo sendo do PMDB, decidiu adotar uma postura independente em seus posicionamentos e votos na Câmara dos Deputados. Sérgio Zveiter já falou por diversas vezes nos corredores de Brasília que não é ligado ao governo.

Publicidade

Justamente por essa dita independência, deputados da oposição acham que existe uma possibilidade do relator produzir uma peça em que apõe o prosseguimento da denúncia contra o colega de partido.

Ao anunciar a escolha de um peemedebista para ser relator de um caso de interesse intrínseco do partido, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Rodrigo Pacheco, afirmou que Zveiter cumpre todos os requisitos necessários para ocupar o cargo. Segundo Pacheco, o companheiro de partido cumpriu assiduidade na Comissão, tem amplo conhecimento jurídico e posicionamento independente ao governo. Por essas razões, ele estaria apto à relatoria.

Histórico de relator

A relatoria no caso envolvendo Michel Temer não será a primeira vez de Sérgio Zveiter. No famoso caso do ex-deputado Natan Donadon, que culminou com sua prisão e cassação, foi o deputado peemedebista que relatou o recurso pedido pelo ex-deputado. Donadon havia entrado com um recurso na CCJ, enquanto estava preso. O deputado carioca rejeitou o recurso e Donadon foi cassado em uma segunda votação.

Publicidade

Outros candidatos

Antes de ser anunciado o nome do relator, Sérgio Zveiter não aparecia nas principais "bolsas de apostas". O Planalto pressionava que um de seus defensores na CCJ fosse o relator, e apoiava os nomes de Alceu Moreira (PMDB-RS), Jones Martins (PMDB-RS) ou Laerte Bessa (PR-DF). Já a oposição queria que a relatoria fosse para o deputado Tadeu Alencar (PSB-PE).

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça não é entre a bancada do PMDB um dos mais próximos ao Planalto. Por isso, ele sempre deixou claro que escolheria um nome técnico para ocupar a relatoria e não sofreria pressão por parte do partido ou do Planalto. Alguns deputados tentaram lhe chantagear e dizer que iriam entrar com um pedido de expulsão do partido. Já o Planalto sinalizou que poderia lhe dar a chefia de Furnas em troca da nomeação de um deputado indicado pelo governo. Pacheco resolveu ficar no meio termo, nomeou um peemedebista, porém que se diz independente do governo, deixando tanto oposição como situação em dúvida do que esperar. #Dentro da política