Publicidade
Publicidade

O deputado federal Francisco Everardo Oliveira Silva (PR-SP), conhecido como o famoso #Tiririca, está sendo alvo de acusações graves por Maria Lúcia Gonçalves Freitas de Lima, 41 anos, ex-babá de sua filha. Ela entrou com uma reclamação trabalhista e registrou a ocorrência. O deputado nega o fato e disse que está sendo vítima de extorsão.

O caso do parlamentar foi enviado para o Supremo Tribunal Federal (STF), por ter o foro privilegiado. Quem cuidará do caso é o ministro Celso de Mello.

A mulher de Tiririca, Naná da Silva Magalhães,está apoiando seu marido e revelou que a ex-babá quer dinheiro deles. Foi, inclusive, feita uma queixa contra a doméstica pelo casal.

Publicidade

Naná e Tiririca afirmaram que Maria Lúcia está se utilizando de um fato inexistente para tentar se enriquecer com ações indenizatórias. De acordo com o parlamentar, a empregada queria R$ 100 mil para a rescisão do contrato e, se eles não a atendessem, ela iria prejudicar os patrões. O motivo de sua dispensa, segundo o casal, é consumo de bebida alcoólica no ambiente de trabalho.

Versão da ex-babá

Maria Lúcia foi contratada em março deste ano e dispensada em junho. Segundo relatos à polícia, ela comentou que foi junto com o parlamentar na gravação do Programa do Jô Soares, da Rede Globo. Na volta para casa, já tarde da noite, ela disse que Tiririca exalava um odor etílico e começou a reclamar do nome dela, dizendo que era muito comprido. Ao chegarem no apartamento, de acordo com a ex-babá, ele agarrou o braço dela, jogou-a no sofá e a segurou com força por trás.

Publicidade

Ele dizia que iria fazer sexo anal e vaginal, segundo a reclamante.

Ela conseguiu se soltar e correu para trás do sofá, alegando muito medo. Tiririca foi atrás dela com as calças no joelho. E para a surpresa de todos, Maria Lúcia ressaltou que a mulher do parlamentar via tudo e ficava rindo, juntamente com assessores do político e tudo acontecia na frente da filha de oito anos, que, segundo Maria, foi a única que tentou defendê-la.

A ex-babá comentou que a filha do deputado empurrou seu pai para o chão e depois ele foi levado para a cama embriagado.

Mais acusações

A empregada disse que muitas outras cenas como essa aconteciam. Um dia eles foram para um sítio do parlamentar, em Fortaleza, e, lá no local, ele vivia passando perto dela e encostando as mãos nas suas nádegas dizendo que ela teria que provar de uma coisa muito boa.

Ela comentou que tinha no celular dela várias besteiras que ele falava pra ela, mas num certo dia, ele mergulhou o celular dela, durante um passeio de lancha. "Eu era ofendida e menos valorizada que um cachorro", disse ela.

O ministro Celso de Mello irá analisar a queixa contra o deputado. #Assédio Sexual