O deputado cassado, #Eduardo Cunha, que se encontra preso no Complexo Médico Penal, em Pinhais, Paraná, está prometendo uma grande delação premiada. Cunha teria em mãos o nome de 50 deputados envolvidos com crimes de corrupção. As histórias que Eduardo Cunha quer contar perante a Justiça são desabonadoras. Os crimes dos parlamentares seriam referentes a propinas e a fundos de pensão, ou seja, dinheiro ilícito enchendo bolsos de deputados e partidos políticos.

Um dos deputados que será citado por Cunha, teria pedido cerca de R$ 1 milhão em para tentar livrar Eduardo Cunha do Conselho de Ética e Cidadania. Isso teria ocorrido na véspera de Cunha ser cassado, o deputado pedia em troca, dinheiro.

Publicidade
Publicidade

Tudo o que Eduardo Cunha for dizer deverá apresentar provas, os auxiliares do procurador geral da República, Rodrigo Janot, estão esperando os próximos capítulos da delação de Cunha. Auxiliares já afirmaram que Cunha será tratado de maneira rígida, e comentaram sobre as provas que deverão constar durante todo o processo para "valer" a palavra do ex-deputado. Esta nova delação seria a chamada "nova delação do fim do mundo". Quando o empreiteiro Marcelo Odebrecht contribuiu com delação na Justiça, causou grandes transtornos para empresários e conhecidos políticos brasileiros, muitos foram citados, e a delação de Odebrecht ficou conhecida como a do "fim do mundo".

Diferente da delação dos donos da grupo J&F/JBS, os irmãos Joesley e Wesley Batista, as chances de Eduardo Cunha conseguir um perdão na Justiça estão próximas a zero.

Publicidade

Os donos da JBS foram os que se "saíram bem" ao fechar acordo de delação, comparado com o empreiteiro Odebrecht e supostamente com o futuro de Eduardo Cunha.

Governo de Temer envolvido

Conforme o governo do presidente da República, #Michel Temer vive vários escândalos envolvendo acusações contra ministros e até contra o presidente. O risco de Temer se afastar do poder é grande, fazendo com o que o ex-presidente da Câmara dos Deputados negocie mais rapidamente o processo de delação premiada.

Com muitas informações em mãos, caso a delação de Cunha entre em vigor agora, fazer denúncias contra Temer e ministros enquanto eles estão no poder seria muito mais satisfatório do que se eles não estiverem. O acordo da delação de Cunha estaria ocorrendo em tempo recorde, diferente de outros presos como o ex-ministro de Lula e Dilma, Antonio Palocci, que até agora não firmou a delação com a equipe da Operação Lava Jato. #Lava Jato