O presidente da República, #Michel Temer, vem sofrendo uma grande pressão, pois, além de assumir o mandato após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, também está envolvido em uma delação premiada bombástica, a do dono da JBS, o empresário Joesley Batista. Após isso, se instaurou uma grande crise política no governo Temer, o que fez com que quaisquer decisões dele se tornassem repudiadas, assim como reformas trabalhistas e a da Previdência Social.

Porém, o presidente vem tentando assegurar-se no poder, já que corre um risco de início de processo no STF (Supremo Tribunal Federal), até porque o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou uma denúncia contra o peemedebista alegando que Michel Temer teve protagonismo em atos de corrupção passiva.

Publicidade
Publicidade

Michel Temer vai cair?

Não é possível afirmar uma queda de Michel Temer diante da crise política. O próprio presidente já afirmou que não renunciará, mas pode ser afastado do cargo se a Câmara Federal autorizar a abertura de processo no STF contra Temer.

Nessa eventualidade, quem assumiria a Presidência da República seria o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Segurança no Rio

O presidente tomou recentemente uma medida que gerou muita polêmica, pois autorizou a utilização das Força Armadas para atuar na segurança do Rio de Janeiro. Para explicar a sua ordem, Temer publicou, nesta sexta-feira (28), um vídeo no site do governo federal e no canal do Palácio do Planalto no YouTtube.

Recado de Temer

O presidente da República, Michel Temer, explicou a medida para o povo carioca, já que muitos discordam do uso das #Forças Armadas nas ruas do Rio de Janeiro.

Publicidade

Os militares já atuaram outras vezes na cidade, como em 2010 e durante a Copa d Mundo e nas Olimpíadas.

Temer explicou que a medida foi para a garantia da lei e da ordem [VIDEO] para a população, já que as Forças Armadas podem ser utilizadas quando se tem uma ordem do presidente da República. A violência no Rio de Janeiro chegou no ponto limite para o presidente, que afirmou que a segurança está na prioridade do governo federal. Por isso, tomou a decisão para manter a segurança no Rio, já que o governo federal pode ajudar os governos dos estados e o municípios com as Forças Armadas, pois essas seguem ordem apenas do presidente da República.

No Rio de Janeiro, é provável que se encontre militares na rua, onde alguns movimentos de esquerda são contra pela ocasião relembrar o período de regime militar no país, mas o presidente lembra que a medida é para garantir a lei e a ordem para a população. #CrisePolítica