Um dos mais respeitados militares das #Forças Armadas do Brasil e comandante máximo das tropas brasileiras, general do #Exército Eduardo Villas Bôas, fez uma análise considerada "sombria" sobre o atual momento vivenciado por todo o país, envolto em uma crise política sem precedentes na história contemporânea.

Em uma entrevista concedida à imprensa, em que relata sua visão sobre temas considerados extremamente "espinhosos" e que perfazem a realidade brasileira, principalmente, em se tratando do atual momento "conturbado", o general acabou se tornando uma verdadeira "voz", alguém que notavelmente tem demonstrado grande coragem para se expressar sobre a atual conjuntura política do país e a crise que vem abalando o governo do presidente da República [VIDEO], #Michel Temer.

Publicidade
Publicidade

Voz das Forças Armadas

O comandante máximo do Exército brasileiro, general Eduardo Villas Bôas, foi contundente ao afirmar que o país deve primar pelo respeito às instituições e pela moderação entre as várias forças políticas da nação brasileira. Entretanto, um dos principais motivos e tema de grande preocupação para o general, é a grave crise política na qual o país está imerso. Sempre que o militar se pronuncia a respeito desse tema considerado de grande preocupação por todos os brasileiros, ele ressalta que o caminho a ser seguido, deve ser o que condiz com a estabilidade institucional.

O general Villas Bôas aponta ainda que percebe a irresponsabilidade de várias lideranças políticas e até mesmo por parte do aparelho de Justiça, o que acaba sendo demonstrado durante todo esse processo enfrentado pelo país.

Publicidade

Ele fez ainda uma ressalva às Forças Armadas, ao se referir ao Exército, como "instituição de Estado, não de governos".

As manifestações do comandante máximo do Exército do Brasil, não vieram à tona, somente agora. Recentemente, durante o mês de maio, Villas Bôas se expressou ao afirmar através das redes sociais, que a Constituição Federal haveria de ser sempre a solução encontrada para todos os desafios institucionais do país. O general foi ainda mais longe ao considerar que não existiriam atalhos fora da Constituição Federal do Brasil, ao reafirmar que o país deve se primar pela defesa da ordem constitucional. O militar salientou também que todos deveriam ter a consciência necessária em se tratando do papel de alta relevância no Estado e no mundo político, além da responsabilidade para a travessia do atual momento.