O juiz do Tribunal Regional Federal (TRF) do Paraná, Josafá Antonio Lemes, pediu para que o juiz Sérgio Moro lhe informasse detalhes das empresas investigadas na Operação Lava Jato que estiveram envolvidas com financiamentos para a campanha do PT, em 2014. Lemes é o responsável por prestar contas no diretório estadual em relação àquele ano das eleições.

De acordo com Lemes, para que se possa chegar a uma contabilidade exata da legenda do partido, é preciso avaliar todas as doações que foram feitas por empresas que fazem parte de julgamentos em andamento. O juiz quer saber se os recursos vieram de fontes de propinas de contratos fraudulentos ou não.

Publicidade
Publicidade

Esse pedido do juiz Lemes a Sérgio Moro pode complicar ainda mais a situação da senadora petista e presidente do partido, #Gleisi Hoffmann. A senadora participou como candidata ao governo do Paraná em 2014 e é alvo de investigação no Supremo Tribunal Federal (STF) por possível envolvimento nos escândalos do Petrolão. Ela nega qualquer irregularidade.

Senadora xinga Moro

Gleisi Hoffmann acompanhou, nesta quinta-feira (13), o discurso do ex-presidente Lula e depois se dirigiu a um carro de som junto com os militantes para proferir duras críticas contra o juiz Sérgio Moro.

Em sua fala, a senadora chamou Moro de covarde ao dar sentença condenando Lula. De acordo com ela, o juiz quer acabar com a democracia no país e impedir que os brasileiros possam votar em Lula nas eleições de 2018.

Ela andou por entre os militantes juntamente com o senador Lindberg Farias e o ex-prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho.

Publicidade

Eles mantem o mesmo discurso, dizendo que o ex-presidente sofre perseguição política e que querem transformar a eleição de 2018 numa grande fraude.

Orientação

A presidente do PT enviou cartas aos diretórios do partido pedindo para que sejam organizadas várias manifestações e ataques contra Sérgio Moro.

A intenção da cúpula do partido é pressionar o TRF-4 para que a sentença contra Lula seja revista e cancelada. A preocupação deles é que se o tribunal concordar com a decisão de Moro, Lula ficará inelegível e não poderá concorrer às eleições. Isso causaria um estrago no PT, que não tem plano B.

Sérgio Moro foi bem claro em sua sentença dizendo que o presidente da República, por estar no poder, é responsável por tudo aquilo que está acontecendo em sua volta. E no fim, Moro ainda disse que a Lei á para todos e ninguém está acima dela [VIDEO]. #Corrupção #Sergio Moro