#Jair Bolsonaro, que ainda está no Partido Social Cristão (#PSC), irá para outro partido para concorrer à Presidência da República em 2018. O deputado já mostra sua indignação há certo tempo com a atual legenda quando fez pactos, no ano passado, com políticos vinculados ao PT e PcdoB na disputa pela prefeitura de São Luís, no Maranhão.

Outro motivo é por conta de o PSC estar envolvido em #Corrupção, prejudicando Bolsonaro para o pleito do ano que vem.

A ida de Bolsonaro para o Partido Ecológico Nacional (PEN)

A rede Globo e o site “O Antagonista” já confirmaram a saída do deputado para o Partido Ecológico Nacional. Em reportagem dada pelo presidente do PEN, Adílson Barroso, ao site “O Antagonista”, o presidente disse que a entrada de Jair Bolsonaro já está 99% concluída.

Publicidade
Publicidade

Jair Bolsonaro ainda tem mais três filhos envolvidos na política e que estão, de acordo com o site, também de saída do PSC com destino também ao PEN. São eles: o vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro; o deputado estadual Flávio Bolsonaro, também do Rio de Janeiro; e o deputado federal Eduardo Bolsonaro.

No encontro de Bolsonaro com os diretores do partido, o deputado concluiu os pequenos detalhes que estavam faltando para a filiação, deixando só a assinatura da ficha, que acontecerá em duas semanas, para confirmação da ligação do parlamentar com o PEN.

Os diálogos abrangem principalmente a mudança do nome da legenda, que será excluído o nome “Ecológico”, para que não seja recusado pelos conservadores e pelos capitalistas. O novo nome deve mudar para Prona (Partido de Reedificação da Ordem Nacional), fazendo renascer o nome do partido que Enéas Carneiro representava quando se candidatava às eleições presidenciais.

Publicidade

PEN com viés socialista?

Quem é socialista ataca o capitalismo e vice-versa. E uma das formas que os socialistas têm para atacar o capitalismo é através da defesa da bandeira ecológica. Jair Bolsonaro, que se diz defender veementemente o capitalismo, está a caminho de um partido que defende uma causa ecológica, sendo, portanto, contraditório ao que o deputado tem como sua tese de defesa política.

Bolsonaro percebeu na armadilha [VIDEO] que poderia cair e por isso que houve certo tipo de exigência, por parte do parlamentar, para a mudança do nome do PEN para PRONA, ou qualquer outro nome que não faça alguma ligação ao socialismo, como a palavra “Ecológico” do partido PEN faz.

De acordo com o presidente do PEN, a causa da mudança é por ter muita gente ignorante no assunto e que acha que ecológico é um termo restrito. Ele disse que o partido não defende a ecologia radical, mas sim a economia, segurança, saúde e sustentabilidade.